Mercado abrirá em 45 mins
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,73
    +0,09 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.781,30
    +12,30 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    32.552,81
    -1.106,56 (-3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    796,34
    -143,60 (-15,28%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.019,77
    +2,30 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.066,75
    +31,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0264
    -0,0097 (-0,16%)
     

EUA se une à iniciativa internacional contra o extremismo na internet

·1 minuto de leitura
A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em 5 de maio de 2021

Os Estados Unidos se juntarão a uma iniciativa internacional para reprimir o extremismo violento na internet, informou a Casa Branca nesta sexta-feira (7), cerca de dois anos depois que o governo Trump se recusou a fazê-lo.

A porta-voz do governo de Joe Biden, Jen Psaki, disse que Washington "vai se juntar ao Chamado a Agir da Christchurch para remover o conteúdo extremista violento e terrorista na internet, um compromisso global dos governos membros e parceiros de tecnologia para trabalhar juntos no combate ao terrorismo e ao conteúdo extremista violento online".

A iniciativa leva o nome da cidade da Nova Zelândia onde um terrorista de extrema direita massacrou 51 pessoas em duas mesquitas em 2019 enquanto transmitia seu ataque ao vivo no Facebook.

"Combater o uso da internet por terroristas e extremistas violentos para radicalizar e recrutar é uma prioridade significativa para os Estados Unidos", declarou Psaki.

Em 2019, os Estados Unidos recusaram, em nome da liberdade de expressão, aderir à convocatória liderada pela primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, e o presidente francês, Emmanuel Macron, embora tenha sublinhado que apoia os objetivos da iniciativa.

Ao aderir à iniciativa, "os Estados Unidos não tomarão medidas que violem as liberdades de expressão e associação, protegidas pela Primeira Emenda da Constituição, nem violarão expectativas razoáveis de privacidade", concluiu Psaki, informando que Washington participará de uma cúpula virtual em 14 de maio.

st/bgs/dg/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos