Mercado fechado

EUA se comprometem a banir testes de mísseis antissatélites

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Os Estados Unidos vão banir testes de mísseis antissatélite de ascensão direta (ASAT), capazes de destruir satélites em órbita e criar uma nuvem de detritos perigosos no espaço. A decisão foi anunciada nesta terça-feira (18) pela vice-presidente Kamala Harris. Segundo ela, o compromisso deverá representar uma “nova norma internacional para o comportamento responsável no espaço”.

O anúncio aconteceu nas instalações da Base da Força Espacial de Vandenberg, na Califórnia. Em sua fala, Harris destacou que estes testes são perigosos, e que o país não irá conduzi-los. O banimento também uma forma de iniciar um esforço internacional para a adoção de outras iniciativas do tipo.

Os detritos espaciais criados por mísseis antissatélites são capazes de ameaçar naves e satélites por anos (Imagem: Reprodução/NASA)
Os detritos espaciais criados por mísseis antissatélites são capazes de ameaçar naves e satélites por anos (Imagem: Reprodução/NASA)

Segundo ela, o fim de testes ASAT deve ser parte integrante de um entendimento compartilhado do que constitui as atividades espaciais seguras e responsáveis, já que, além de colocar em risco a exploração do espaço e atividades econômicas, estes testes ainda aumentam os perigosos de conflitos armados. “Sem normas claras, encaramos um risco desnecessário no espaço”, alertou.

Harris recordou o teste de míssil antissatélite realizado pela China, em 2007, e pela Rússia, no ano passado, ressaltando que estas foram “algumas das ameaças de maior pressão à segurança e sustentabilidade do espaço”. De acordo com ela, os testes foram voltados para o desenvolvimento de armas antissatélites, que seriam usadas para negar aos Estados Unidos a habilidade de usar recursos espaciais.

Riscos dos testes de mísseis antissatélites

Na ocasião, o teste da Rússia destruiu um satélite próprio na órbita baixa da Terra. O procedimento foi amplamente criticado pela comunidade internacional, que o descreveu como “perigoso” e “irresponsável”. O teste resultou na criação de uma nuvem de milhares de detritos, capazes de colocar em risco tanto satélites em órbita quanto veículos espaciais tripulados. De acordo com a vice-presidente, ainda há 2.800 detritos do teste da China.

No ano passado, os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional precisaram se abrigar em suas naves devido ao risco dos detritos do teste russo (Imagem: Reprodução/NASA)
No ano passado, os astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional precisaram se abrigar em suas naves devido ao risco dos detritos do teste russo (Imagem: Reprodução/NASA)

Para especialistas, o anúncio é um passo importante para manter a segurança e sustentabilidade do espaço. “Este anúncio é sobre tentar estabelecer normas internacionais para o comportamento responsável no espaço, e encorajar outros países a participar”, observou Robin Dickey, especialista em políticas espaciais na Aerospace Corp.

Contudo, o deputado Douglas Lamborn recebeu a novidade com cautela. “Esta decisão cria mais oportunidades para a China e a Rússia manterem nossos ativos no espaço em risco, enquanto continuam colocando em campo tecnologias ASAT e criam detritos espaciais perigosos”, destacou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos