Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.253,21
    +580,45 (+0,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.284,12
    -118,58 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +1,29 (+1,55%)
     
  • OURO

    1.785,60
    +15,10 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    66.687,19
    +3.022,53 (+4,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.555,27
    +74,47 (+5,03%)
     
  • S&P500

    4.534,66
    +15,03 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    35.593,73
    +136,42 (+0,38%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.380,25
    -18,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4482
    -0,0480 (-0,74%)
     

EUA retomará "discussões abertas" sobre comércio com a China

·1 minuto de leitura
O presidente chinês Xi Jinping e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden (AFP/NICOLAS ASFOURI, Nicholas Kamm)

A representante do Comércio dos Estados Unidos anunciará nesta segunda-feira (4) a retomada nos próximos dias de "discussões abertas" com a China para abordar a aplicação do acordo bilateral assinado em 2020, segundo trechos do discurso que deve pronunciar em um centro de pesquisas.

"A China assumiu compromissos que devem beneficiar algumas indústrias americanas, como a agricultura, que devemos fazer respeitar", afirmará Katherine Tai no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), indicando desta maneira que Pequim não cumpriu tudo que foi acordado.

A administração do presidente Joe Biden vai "iniciar um procedimento de isenções seletivas de tarifas de importação", anunciará Tai no discurso.

Entre 2018 e 2020, a administração do ex-presidente Donald Trump adotou tarifas de importação aos produtos chineses que representavam 370 bilhões de dólares anuais.

As tarifas punitivas, impostas em retaliação às práticas comerciais chinesas consideradas "desleais", são criticadas por muitas empresas.

No início de agosto, grandes grupos americanos pediram ao governo Biden a redução das tarifas, destacando que as empresas dos Estados Unidos enfrentam "custos crescentes" porque as taxas adicionais são pagas pelos importadores.

Uma fonte do governo americano disse que as tarifas atuais impostas pelo governo Trump permanecerão em vigor durante o procedimento de isenção.

O presidente Joe Biden havia solicitado a Katherine Tai uma reavaliação global da estratégia comercial de Washington com Pequim.

Dt/am/me/mar/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos