Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.704,96
    -658,14 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.264,39
    -450,21 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,15
    +0,49 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.800,40
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    61.922,38
    +3.084,89 (+5,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.498,43
    +79,06 (+5,57%)
     
  • S&P500

    4.596,42
    +44,74 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    35.730,48
    +239,79 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.720,50
    +133,25 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5881
    +0,1634 (+2,54%)
     

EUA relaxam restrições de entrada para estrangeiros vacinados

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os Estados Unidos reabrirão em breve suas fronteiras para a maioria dos viajantes estrangeiros, desde que tenham imunização completa contra a Covid-19, segundo anunciado pela Casa Branca na segunda-feira.

Most Read from Bloomberg

As novas regras para viagens internacionais entrarão em vigor no “início de novembro”, disse o coordenador da Casa Branca para a Covid-19, Jeff Zients. Ações de companhias aéreas europeias subiram com a notícia da mudança.

Passageiros terão que apresentar comprovante de vacinação para embarcar em aviões com destino aos EUA, e o novo regime também envolverá regras mais rigorosas para testes de coronavírus e rastreamento de contatos, disse Zients. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças irão determinar o que será considerado imunização completa para viajantes internacionais, disse. As medidas também incluem requisitos de testes mais rígidos, inclusive para americanos não vacinados.

“Protegeremos os americanos no país e aumentaremos a segurança das viagens internacionais”, afirmou.

As novas medidas equivalem a uma ampla atualização das rigorosas regras de entrada impostas a visitantes dos EUA como forma de frear a propagação do coronavírus. Países europeus, em particular, se queixaram de que os EUA mantiveram as restrições de viagem para cidadãos vacinados da União Europeia, mesmo depois de o bloco permitir a entrada de americanos vacinados.

Companhias aéreas europeias, em especial, contam com voos dos EUA para gerar lucros após perderem participação de mercado para operadoras de baixo custo e trens de alta velocidade em rotas de curta distância.

Os EUA atualmente proíbem a entrada direta de pessoas que não sejam cidadãos ou residentes permanentes, caso tenham estado no Espaço Schengen da Europa ou no Reino Unido nos últimos 14 dias, independentemente do status de vacinação.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos