Mercado fechará em 2 h 46 min
  • BOVESPA

    117.833,93
    +636,11 (+0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.462,43
    +616,60 (+1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,24
    +0,48 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.719,90
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    20.057,61
    -167,38 (-0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,45
    -6,67 (-1,44%)
     
  • S&P500

    3.766,37
    -16,91 (-0,45%)
     
  • DOW JONES

    30.098,18
    -175,69 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.597,75
    -26,00 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0975
    -0,0387 (-0,75%)
     

EUA registram abertura sólida de empregos em agosto; taxa de desemprego sobe a 3,7%

Anúncio de vagas em aberto é visto em filial da Starbucks, em Nova York, EUA

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - Os empregadores americanos contrataram um pouco mais de trabalhadores do que o esperado em agosto, mantendo o Federal Reserve no caminho de um terceiro aumento de 0,75 ponto percentual dos juros este mês, embora a taxa de desemprego tenha aumentado para 3,7%.

O Departamento do Trabalho informou que foram abertas 315.000 vagas de trabalho fora do setor agrícola no mês passado, de acordo com o relatório de emprego divulgado nesta sexta-feira.

Os dados de julho foram revisados ligeiramente para baixo para mostrar abertura de 526.000 pontos, em vez de 528.000 como relatado anteriormente. Isso marcou o 20º mês consecutivo de crescimento de empregos.

Economistas consultados pela Reuters projetavam abertura de 300.000 vagas. As estimativas variavam de 75.000 a 450.000. A taxa de desemprego aumentou para 3,7%, depois de atingir a mínima pré-pandemia de 3,5% em julho.

O relatório de emprego foi uma semana depois de o chair do Fed, Jerome Powell, alertar os norte-americanos sobre um período doloroso de crescimento econômico lento e possivelmente de aumento do desemprego, conforme o banco central dos Estados Unidos aperta agressivamente a política monetária para conter a inflação.

O crescimento sólido de empregos no mês passado foi mais uma evidência de que a economia continua a se expandir mesmo com a contração do Produto Interno Bruto no primeiro semestre do ano. É também um sinal de que o Fed ainda precisa esfriar o mercado de trabalho, apesar dos aumentos dos juros.

O Fed aumentou por duas vezes sua taxa de juros em 0,75 ponto percentual, em junho e julho. Desde março, o banco central tirou os juros de quase zero para sua faixa atual de 2,25% a 2,50%.

Os mercados financeiros estão precificando uma probabilidade de cerca de 70% de um aumento de 0,75 ponto base na reunião de 20 a 21 de setembro, de acordo com a ferramenta FedWatch da CME.

Apesar dos riscos crescentes de recessão, o mercado de trabalho continua a traçar seu próprio caminho. Havia 11,2 milhões de vagas abertas no último dia de julho, com duas vagas para cada desempregado. Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego estão sendo muito baixos pelos padrões históricos.

O salário médio por hora aumentou 0,3% em agosto, depois de alta de 0,5% em julho. Isso manteve o aumento anual dos salários em 5,2% em agosto.