Mercado fechará em 2 h 16 min
  • BOVESPA

    121.900,79
    +99,58 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.279,97
    +84,54 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,02
    +0,87 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.807,60
    -6,90 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    40.388,25
    +1.029,89 (+2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,18
    +22,29 (+2,28%)
     
  • S&P500

    4.419,85
    +17,19 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    34.982,97
    +190,30 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.149,00
    +75,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1549
    +0,0366 (+0,60%)
     

EUA querem limitar recrutamento de talentos no país pela China

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Congresso americano quer limitar a capacidade da China de recrutar cientistas e acadêmicos nos Estados Unidos como parte de ações de maior alcance do governo de Washington para enfrentar a influência crescente do país asiático.

Um projeto de lei aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados para apoiar a pesquisa e o desenvolvimento nos EUA impediria cientistas e acadêmicos de participarem de projetos de pesquisa financiados pelo governo americano caso também recebam apoio da China.

“Durante anos, o Congresso, agências de pesquisa federais, agências de segurança nacional e universidades têm trabalhado para erradicar o recrutamento ‘maligno’ de talentos estrangeiros”, disse Randy Feenstra, deputado republicano de Iowa que apresentou a medida, durante uma audiência da comissão sobre a legislação. “Chegou a hora de simplesmente proibi-los de receber dólares de contribuintes dos EUA.”

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, se esquivou de uma pergunta sobre o projeto de lei durante coletiva de imprensa na segunda-feira em Pequim, dizendo que não tinha conhecimento do assunto.

A aprovação da restrição pela Câmara dos EUA é mais um sinal da relação tensa entre as duas maiores economias do mundo, mesmo no nível acadêmico, que tem atraído centenas de milhares de estudantes e pesquisadores chineses e coincide com uma linha mais dura do governo americano.

Na segunda-feira, EUA, Reino Unido e aliados formalmente atribuíram o ataque de hackers contra o Microsoft Exchange a agentes afiliados ao governo chinês e acusaram a China de uma ampla gama de “atividades cibernéticas maliciosas”.

O governo Biden planeja uma série de medidas para proteger os interesses americanos na região e emitiu um alerta a investidores na sexta-feira sobre os riscos de fazer negócios em Hong Kong. Enquanto isso, o Congresso age para penalizar o governo de Pequim por violações no comércio, direitos humanos e propriedade intelectual.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos