Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.370,05
    +304,50 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

EUA propõem coordenação do G-7 contra poderio econômico da China

Alberto Nardelli e Nick Wadhams
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O G-7 avalia uma proposta dos Estados Unidos para enfrentar o que a Casa Branca vê como coerção econômica da China.

Um documento foi distribuído antes da reunião de dois dias dos ministros de Relações Exteriores do G-7 em Londres, segundo autoridades que não quiseram ser identificadas. Uma conversa sobre a China na terça-feira foi liderada pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que também pretende chamar a atenção para acusações de trabalho forçado na região de Xinjiang.

Os EUA querem um mecanismo de consulta que envolveria o G-7 - bem como outras partes interessadas - para garantir uma resposta coordenada às ações da China e com o objetivo de aumentar a resiliência dos países do grupo, de acordo com um diplomata.

A iniciativa coincide com a linha mais dura da Alemanha, Itália e França - três países da União Europeia que fazem parte do G-7 - quando começam a se alinhar com o governo dos EUA em seu impasse com a China. Os EUA ainda são um pouco mais agressivos do que a UE quando se trata do governo Pequim.

O Departamento de Estado não quis comentar.

Como anfitrião do G-7, o Reino Unido busca um equilíbrio com a China, denunciando seus supostos abusos dos direitos humanos enquanto mantém a porta aberta para áreas de cooperação, como em mudança climática. O desafio do governo Boris Johnson é evitar tachar o G-7 como antiChina sob sua presidência.

O Reino Unido saiu da UE e quer fechar acordos comerciais de forma independente, como com os EUA e Índia. Países da UE também pisam em ovos para responsabilizar a China por suas supostas ações contra os direitos humanos sem isolar um parceiro econômico importante.

Também está em pauta a criação do grupo “Amigos de Hong Kong” para compartilhar informações e preocupações sobre a ex-colônia britânica, segundo um diplomata a par do assunto. No ano passado, a China impôs uma ampla lei de segurança nacional em Hong Kong, na esteira dos protestos antigoverno em 2019.

Outras questões em discussão incluem Mianmar, Rússia, Ucrânia e um acordo sobre um mecanismo de resposta rápida para combater a desinformação que deverá ser adotado como anexo à declaração conjunta final.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.