Mercado fechado

EUA pede liberdade para ex-executivos da Citgo presos na Venezuela

JIM WATSON
·1 minuto de leitura
Logo de estação da Citgo em Middletown, em 26 julho de 2019
Logo de estação da Citgo em Middletown, em 26 julho de 2019

Os Estados Unidos pediram à Venezuela nesta terça-feira que liberte os seis ex-executivos da petrolífera Citgo detidos no país, dois dos quais estão em prisão domiciliar, após mais de 1.000 dias de sua prisão.

O secretário de Estado Mike Pompeo fez o pedido depois que o presidente venezuelano Nicolás Maduro indultou mais de uma centena de oponentes na segunda-feira, incluindo deputados e colaboradores do chefe parlamentar Juan Guaidó, que por sua vez descreveu a ação como "armadilha" para as eleições legislativas de dezembro. 

Em nota, Pompeo comemorou que dois dos detidos foram colocados em prisão domiciliar e que o julgamento já tenha começado. 

"Os outros quatro continuam em prisões venezuelanas, que estão se tornando cada vez mais perigosas, onde a covid-19 continua se espalhando e ameaça suas vidas", indicou a diplomacia norte-americana. 

Os seis executivos - Tom Vadell, José Luis Zambrano, Alirio Zambrano, Jorge Toledo, Gustavo Cárdenas e José Pereira - foram presos em novembro de 2017. 

Os seis executivos são acusados de estelionato, lavagem de dinheiro e associação criminosa, entre outros crimes.

an/yow/cc