Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.335,32
    -106,26 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

EUA observam desenvolvimento de armas chinesas, diz Defesa após relato sobre míssil hipersônico

·1 min de leitura
Secretário de Defesa dos EUA, LLoyd Austin, durante visita à Geórgia

TBILISI (Reuters) - O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, disse nesta segunda-feira que Washington está acompanhando atentamente o desenvolvimento de sistemas de armas avançadas pela China, mas não quis comentar diretamente uma reportagem segundo a qual Pequim testou um míssil hipersônico com capacidade nuclear.

O Ministério das Relações Exteriores chinês negou a reportagem do jornal Financial Times, que disse que a China lançou um foguete com uma arma de planeio hipersônica em julho. Pequim disse que foi um veículo espacial, não um míssil.

Os EUA e a Rússia já testaram armas hipersônicas, geralmente definidas como mísseis que voam a uma velocidade cinco vezes superior à do som, em meio a uma corrida para uma nova geração de armas que são mais difíceis de detectar e interceptar.

Austin disse a repórteres durante uma visita à antiga república soviética da Geórgia: "Acompanhamos atentamente o desenvolvimento de armamentos e recursos e sistemas avançados da China que só aumentarão as tensões na região".

Ele disse que Washington continuará concentrada no desafio militar de Pequim.

Austin falava durante uma viagem pela Europa na qual o Pentágono disse que ele "tranquilizará aliados e parceiros sobre o compromisso da América com sua soberania frente à agressão russa".

(Por David Chkhikvishvili)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos