Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.072,81
    -163,17 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

EUA: inflação alcança 8,6% em maio, maior índice em 40 anos

A inflação nos Estados Unidos voltou a ganhar força em maio, de acordo com o índice de preços ao consumidor CPI, que atingiu 8,6% em 12 meses, o maior resultado desde dezembro de 1981, segundo os dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta sexta-feira (10).

Na comparação com o mês de abril, o aumento de preços foi de 1,0%, enquanto entre março e abril a alta foi de 0,3%. O resultado superou as previsões dos analistas.

Os especialistas consultados pela agência Bloomberg antecipavam uma inflação anualizada estável com relação ao registrado em abril. No mês, esperavam um aumento de 0,7%

A gasolina, em particular, registrou alta de 4,1% em maio. Outros setores com aumento de preços foram habitação, passagens de avião e veículos.

Além disso, itens como atendimento médico, móveis, lazer e vestuário também tiveram aumentos.

Os preços da energia aumentaram 34,6% em um ano, sua maior alta desde setembro de 2005.

Os preços dos alimentos tiveram a maior alta desde março de 1981, com variação ascendente de 10,1% em 12 meses.

Wall Street reagiu aos dados da inflação, abrindo em queda nesta sexta. Dow Jones perdia 1,52% e o Nasdaq -1,64%.

- "Principal prioridade" -

Se excluídos os preços mais voláteis da inflação e energia, que subiram especialmente com a guerra na Ucrânia, a inflação subjacente foi semelhante à de abril na comparação mensal (0,6%).

Enquanto isso, na medição em ritmo anual, a inflação subjacente é um pouco menor do que a registrada em 12 meses no mês passado, situando-se em 6%.

O presidente Joe Biden falará sobre o tema às 13h45 (14h45 de Brasília) do porto de Los Angeles, a área de chegada de navios cargueiros procedentes da Ásia.

Biden voltará a pedir à Câmara de Representantes que vote na próxima semana um projeto de lei aprovado em março pelo Senado, que visa impedir que as transportadoras marítimas inflacionem seus preços, o que afeta os bens que os consumidores compram.

O presidente definiu a inflação como sua "principal prioridade" da política doméstica.

Na próxima semana, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) se reunirá na terça e quarta-feira para avaliar o nível das taxas de juros, um dos instrumentos para conter a inflação.

O organismo busca conter a demanda dos consumidores e das empresas tornando o crédito mais caro.

O Fed determinou dois aumentos consecutivos das taxas de juro de referência nas suas últimas reuniões, de um quarto de ponto percentual e meio ponto, respetivamente, para situá-las em 0,75 a 1,00%.

hs/to/mr/fp/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos