Mercado abrirá em 2 mins
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,08
    +2,90 (+4,38%)
     
  • OURO

    1.788,90
    +12,40 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    56.993,48
    -665,82 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.462,97
    +20,19 (+1,40%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.149,46
    +90,01 (+1,28%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.376,75
    +226,25 (+1,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3883
    +0,0183 (+0,29%)
     

EUA inclui fabricante israelense do programa espião Pegasus em 'lista negativa'

·2 min de leitura
Celular conectado ao site do grupo israelense NSO, que comercializa o programa de espionagem Pegasus (AFP/Joel Saget)

O Departamento americano do Comércio anunciou, nesta quarta-feira (3), a inclusão do Grupo NSO, a empresa israelense que fabrica o software de espionagem Pegasus, em sua lista de empresas proibidas, por representar uma ameaça à segurança nacional.

A NSO foi exposta neste verão, depois que investigações publicadas por um consórcio de 17 veículos de comunicação internacionais revelaram que o Pegasus teria permitido espionar os números de jornalistas, políticos, ativistas e líderes empresariais de vários países.

Os telefones infectados com Pegasus se tornam dispositivos espiões de bolso. Permitem que o usuário leia as mensagens da pessoa afetada, veja suas fotos, saiba sua localização e até ligue a câmera sem que ela saiba.

"Essas ferramentas permitiram que governos estrangeiros aplicassem repressão transnacional, que é a prática de governos autoritários para seguir dissidentes, jornalistas e ativistas fora de suas fronteiras para silenciar a dissidência", disse o Departamento de Comércio em um comunicado.

A empresa manifestou nesta quarta-feira a sua surpresa com a inclusão na lista.

"O grupo NSO está consternado com a decisão" dos Estados Unidos e "trabalhará para garantir que essa decisão seja modificada", disse um porta-voz da empresa com sede nos arredores de Tel Aviv, que afirma seguir um "estatuto ético rigoroso baseado nos valores americanos ".

Washington também pôs na lista a empresa israelense Candiru, a Computer Security Initiative Consultancy PTE (COSEINC), de Singapura, e a empresa russa Positive Technologies.

A inclusão destas empresas implica que as exportações que poderiam receber de organizações americanas ficam restringidas. Agora, é muito mais difícil, por exemplo, para organizações americanas venderem informações, ou tecnologia, para estas companhias.

- Mais de uma preocupação -

Uma investigação da mídia internacional relatou em julho que vários governos usaram o software Pegasus, criado pelo Grupo NSO, para espionar ativistas, jornalistas e políticos.

"A ação de hoje é parte dos esforços do governo Biden-Harris para colocar os direitos humanos no centro da política externa dos EUA, incluindo o trabalho para impedir a proliferação de ferramentas digitais usadas para repressão", disse a pasta do Comércio em seu comunicado.

A preocupação inicial com o Pegasus foi agravada por ressentimentos quando a Apple lançou uma solução em setembro para evitar que spyware infectasse seus dispositivos sem que os usuários abrissem um link ou mensagem.

O chamado "clique zero", que pode corromper silenciosamente um dispositivo, foi identificado por pesquisadores do Citizen Lab, uma organização de vigilância da segurança cibernética no Canadá.

Após o escândalo do programa espião, especialistas da ONU pediram uma moratória internacional sobre a venda de tecnologia de vigilância até que os regulamentos para proteger os direitos humanos estejam em vigor.

O estabelecimento de defesa israelense criou um comitê para revisar as atividades do NSO, incluindo o processo pelo qual são concedidas licenças de exportação.

O NSO insiste que seu software é projetado para ser usado apenas na luta contra o terrorismo e outros crimes, e afirma que exporta para 45 países.

juj/Dt/rle/lm/lda/tt/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos