Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    56.959,32
    -5.243,98 (-8,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

EUA impulsionará acordo global sobre imposto às empresas no G20

·2 minuto de leitura
A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington, D.C., em 9 de fevereiro de 2021

Os Estados Unidos vão promover no G20 um acordo global sobre um imposto à renda empresarial - informou a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, nesta segunda-feira (5), uma semana após a apresentação de um plano de infraestrutura financiado por aumentos de impostos empresariais em seu país.

"Juntos podemos usar este imposto mínimo global para garantir que a economia prospere com base em uma maior igualdade de condições de tributação para as empresas multinacionais, e que se impulsione a inovação, o crescimento e a prosperidade", afirmou Yellen em um discurso no centro de estudos Council on Global Affairs de Chicago.

Poucos dias depois de o governo de Joe Biden anunciar, na semana passada, que quer elevar o imposto para a receita das grandes empresas para financiar um gigantesco plano de infraestrutura com o objetivo de criar emprego, Yellen defendeu um esforço internacional para terminar com uma "corrida" para levar este taxação a um "mínimo" em busca de competitividade.

"A proposta anunciada pelo presidente Biden na semana passada pede para tomarmos ações ambiciosas, incluindo aumentar a taxa mínima de imposto (às empresas) nos Estados Unidos e um compromisso renovado em nível internacional, reconhecendo que é importante trabalhar com outros países para acabar com a pressão da concorrência fiscal e da erosão do imposto de renda das empresas", disse Yellen.

Parte do plano de Biden consiste em elevar o imposto de renda corportativo de 21% atualmente para 28%.

Yellen já afirmou que quer pressionar a favor de um acordo fiscal internacional na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), visando estabelecer uma série de padrões que incluam as empresas de tecnologia.

Para a secretária do Tesouro, é necessário garantir que os governos tenham sistemas fiscais justos que arrecadem receita suficiente para investir em bens públicos essenciais e que possam responder às crises. Ela também defendeu que todos os cidadãos compartilhem a "carga" de financiar o governo.

- Acordo para julho -

Segundo um funcionário de alto escalão do departamento, que pediu para não ser identificado, o G20 espera ter uma proposta sobre esta questão até julho. A mesma fonte acrescentou que o governo americano precisaria mudar leis para implantar uma reforma fiscal.

Yellen falou às vésperas das reuniões semestrais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, e do encontro dos ministros das Finanças do G20, que foram reduzidos a fóruns virtuais devido à pandemia.

A secretária do Tesouro também destacou que o governo de Biden busca romper com a política de seu antecessor Donald Trump e quer voltar integralmente à cooperação multilateral.

"Nos últimos quatro anos, vimos em primeira mão o que acontece quando os Estados Unidos se retiram do cenário global. Falar em Estados Unidos 'primeiro' nunca quis dizer 'Estados Unidos sozinhos'", disse a funcionária.

Em relação à China - que é a segunda potência global e tem uma relação repleta de atritos com Washington -, Yellen reiterou que haverá concorrência onde for preciso, colaboração onde for possível e rivalidade onde for necessário.

an/mr/aa