Mercado abrirá em 7 h 2 min

EUA estuda reduzir tarifas sobre produtos chineses, diz Yellen

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, sugeriu que os EUA estão abertos a reduzir as tarifas generalizadas da era Trump sobre importações para ajudar a aliviar a inflação mais rápida em quatro décadas.

“Estamos reexaminando cuidadosamente nossa estratégia comercial em relação à China”, disse Yellen na sexta-feira em entrevista ao “Balance of Power” da Bloomberg Television com David Westin, quando questionada sobre a retirada das tarifas. “Vale a pena considerar. Certamente queremos fazer o que pudermos para combater a inflação, e haveria alguns efeitos desejáveis. É algo que estamos analisando.”

Pesquisa do Peterson Institute for International Economics no mês passado estimou que a eliminação de uma ampla gama de tarifas da era Trump, incluindo aquelas sobre produtos chineses, poderia reduzir a inflação em 1,3 ponto percentual.

O índice de preços ao consumidor mostrou que a inflação atingiu 8,5% no ano até março e em pesquisas de opinião é uma das principais fontes de descontentamento público com o governo Biden.

Yellen disse que o governo está fazendo todo o possível para ajudar a reduzir os preços para os americanos, liberando partes da Reserva Estratégica de Petróleo e tentando ajudar a resolver problemas da cadeia de suprimentos.

Yellen também repetiu seu apelo por grandes mudanças nas instituições financeiras internacionais, como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, formados após a Segunda Guerra Mundial.

“Os objetivos de cada uma dessas instituições são apropriados, mas o mundo mudou de maneira muito significativa”, disse Yellen.

O FMI foi formado para resolver problemas de um único país, enquanto as últimas três grandes crises – o colapso financeiro global em 2008, a pandemia e a invasão da Ucrânia pela Rússia – afetaram vários países.

A demanda pelo que ela chamou de “bens públicos” – necessários para fortalecer os sistemas de saúde pública e combater as mudanças climáticas, por exemplo – supera a capacidade de financiamento do Banco Mundial.

“Talvez seja apropriado um repensar mais fundamental para o Banco Mundial”, disse ela.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos