Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.753,90
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    47.550,80
    -374,06 (-0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -43,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1975
    +0,0127 (+0,21%)
     

EUA estão preocupados com aumento de armas nucleares da China

·1 minuto de leitura
Veículos militares carregam míssil balístico intercontinental durante desfile na Praça da Paz Celestial em Pequim

WASHINGTON (Reuters) - O Pentágono e parlamentares republicanos expressaram novas preocupações nesta terça-feira sobre o aumento de armas nucleares da China, após um novo relatório dizer que Pequim estava construindo mais 110 silos de mísseis.

Um relatório da Federação Americana de Cientistas (AFS) disse na segunda-feira que imagens de satélite mostram que a China estava construindo um novo campo de silos perto de Hami, na parte oriental da região de Xinjiang.

O relatório chegou semanas depois de outro sobre a construção de cerca de 120 silos de mísseis em Yumen, uma área deserta cerca de 380 quilômetros ao sudeste.

"Esta é a segunda vez em dois meses que o público descobriu que o que temos dito desde o início sobre a crescente ameaça pela qual o mundo passa e o véu de sigilo que a cerca", afirmou o Comando Estratégico dos EUA em um tuíte relacionado a um artigo do New York Times sobre o relatório da Federação Americana de Cientistas.

O parlamentar republicano Mike Turner, membro do Sub-comitê de Serviços Armados sobre Forças Estratégicas da Câmara, disse que a intensificação nuclear da China era "sem precedentes" e deixava claro que "estava empregando armas nucleares para ameaçar os Estados Unidos e nossos aliados".

Ele afirmou que a recusa da China em negociar controle de armas "deveria ser uma causa de preocupação e condenada por todas as nações responsáveis".

(Por David Brunnstrom)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos