Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,32
    +0,05 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.857,50
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    32.591,54
    +113,57 (+0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,31
    +57,32 (+9,40%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,95 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.677,20
    +45,75 (+0,16%)
     
  • NASDAQ

    13.436,25
    +74,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

EUA eliminam importante canal de lavagem de dinheiro

Paul HANDLEY
·1 minuto de leitura
A ONU calcula que sejam lavados entre 800 bilhões e 2 trilhões de dólares anualmente através do sistema financeiro mundial

Os Estados Unidos eliminaram um importante canal para a lavagem de dinheiro e evasão fiscal, através de uma nova lei, que requer a revelação do nome dos proprietários de empresas fantasma, amplamente usadas para desviar bilhões de dólares.

A chamada Lei de Transparência Corporativa foi incluída no projeto de lei do orçamento de Defesa americano, aprovado pelo Congresso na noite de ontem, com a eliminação do veto do presidente Donald Trump. "Esse é o passo mais importante que poderíamos dar para proteger melhor o nosso sistema financeiro de abusos", declarou Ian Gary, diretor executivo da Coalizão Fact, que pressionou pela aprovação da norma.

Os donos de empresas de fachada deverão, segundo a lei, revelar sua identidade à Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN), agência do Departamento do Tesouro americano. "Durante anos, especialistas classificaram rotineiramente as empresas fantasma como maior ponto fraco em nossas salvaguardas contra a lavagem de dinheiro", assinalou Gary.

Apenas o Departamento do Tesouro e a polícia terão acesso a essa informação. Para os defensores da transparência, esse já é um grande passo contra a corrupção, o crime organizado e a evasão fiscal.

Apesar de o foco ter se voltado para paraísos fiscais, como Panamá e Ilhas Cayman, especialistas argumentam que o tamanho da economia americana e sua capacidade de absorver bilhões de dólares de forma relativamente imperceptível tornaram-se um elemento-chave para transformar fundos ilícitos em dinheiro limpo.

No começo de 2020, a organização Tax Justice Network classificou as Ilhas Cayman e os Estados Unidos como campeões em ajudar pessoas e esconder suas finanças da lei e do fisco. A ONU calcula que sejam lavados entre 800 bilhões e 2 trilhões de dólares anualmente através do sistema financeiro mundial.

pmh/bgs/llu/ll/lb