Mercado abrirá em 9 h 23 min
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,47
    +0,17 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.778,50
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    34.931,22
    +2.123,25 (+6,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    840,98
    +54,37 (+6,91%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    29.180,31
    +297,85 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    29.093,00
    +217,77 (+0,75%)
     
  • NASDAQ

    14.362,25
    +8,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8674
    +0,0051 (+0,09%)
     

EUA e Brasil veem espaço para avanço do etanol antes de transição para elétricos

·2 minuto de leitura
Veículo abastecido a etanol em posto de combustíveis no Rio de Janeiro (RJ)

Por Marcelo Teixeira

NOVA YORK (Reuters) - Os Estados Unidos e o Brasil, dois produtores líderes de etanol, veem potencial para um grande aumento no consumo mundial do biocombustível como uma forma definitiva de reduzir as emissões de carbono, enquanto ocorre a transição para os veículos totalmente elétricos, indicaram representantes da indústria nesta semana.

"Há muita esperança (de redução das emissões) relacionada aos veículos elétricos, mas a frota atual ainda existirá por muito tempo", disse Brian Healy, diretor de desenvolvimento do mercado de etanol do U.S. Grains Council, acrescentando que a mistura de biocombustíveis em carros com motor a combustão é a maneira mais rápida de se melhorar a qualidade do ar.

Durante participação na Conferência Internacional de Açúcar e Etanol da Datagro, realizada nesta semana, Healy afirmou que os países devem se movimentar mais rapidamente para implementar planos de mistura do etanol à gasolina.

Diversos países e regiões de todo o mundo estão discutindo ou estabelecendo metas para aumentar o uso de biocombustíveis, como China, Canadá, Reino Unido, Índia, México, Vietnã, África do Sul e Austrália, mas houve adiamentos generalizados.

Analistas veem uma relutância de alguns países em depender de fontes renováveis de energia se não puderem produzi-las, como é o caso da China, que adiou sua meta para uma política nacional de mistura E10.

Lara Bacellar, gerente-executiva de trading de etanol da Copersucar, uma das maiores comercializadoras do mundo, disse que se todas as obrigações e políticas globais para as misturas fossem cumpridas, incluindo a proposição dos EUA para a gasolina E15, a demanda poderia saltar em até 55 bilhões de litros por ano.

"Essa ações iriam na direção do cumprimento do acordo climático de Paris, utilizando um produto que é eficiente na redução de emissões e que está disponível", afirmou.

Especialistas veem as misturas como uma estratégia particularmente importante na redução da poluição em economias emergentes, onde a revolução dos veículos elétricos levará muito mais tempo para ocorrer devido à necessidade de grandes investimentos na infraestrutura de recarga.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos