Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.594,64
    +132,24 (+0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,75
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

EUA e aliados prometem pressionar a Coreia do Norte após lançamento de míssil

A vice-presidente americana, Kamala Harris, e os líderes do Japão, Coreia do Sul, Austrália, Nova Zelândia e Canadá prometeram pressionar a Coreia do Norte em uma reunião de emergência nesta sexta-feira, depois que Pyongyang lançou um míssil balístico intercontinental.

Algumas horas depois que a Coreia do Norte lançar um míssil, que o Japão afirma que tem a capacidade de alcançar o território continental dos Estados Unidos, Harris se reuniu com vários aliados de seu país à margem de uma cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico em Bangcoc.

"Condenamos veementemente estas ações e reiteramos o chamado para que a Coreia do Norte cesse estes atos ilegais e desestabilizadores", disse Harris aos jornalistas antes do início da reunião.

"Em nome dos Estados Unidos, reafirmo nosso compromisso inabalável com nossas alianças da região Indo-Pacífico", disse utilizando este termo para referir-se à região Ásia-Pacífico.

O Japão afirmou que o míssil caiu em suas águas.

Este lançamento ocorre em um momento de crescentes tensões com a Coreia do Norte e Estados Unidos, que acreditam que o país pode estar preparando um sétimo teste nuclear.

Em nota, a Casa Branca afirmou que os seis líderes que participaram da reunião alertaram para uma "resposta firme e decidida", caso a Coreia do Norte realize um teste nuclear.

Os líderes concordaram em manter a abertura ao diálogo e instaram a Coreia do Norte a  "abandonar as provocações sem motivo e retomar a diplomacia séria e embasada".

Em uma velada referência à China, o principal apoiador deste empobrecido e isolado país, o comunicado também fez um apelo a todos o membros da ONU para "implementar plenamente" as resoluções do Conselho de Segurança, que impôs duras sanções à Coreia do Norte.

O primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, disse que os líderes também buscam uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, onde a China e Rússia podem vetar uma proposta americana para endurecer as sanções.

"É sobre o mundo se unir para condenar as ações da Coreia do Norte e se posicionar pela paz e segurança de nossa região", disse Albanese à jornalistas.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, admitiu que há temores de que a Coreia do Norte ignore as pressões.

"Existe a possibilidade de que a Coreia do Norte lance mais mísseis", afirmou Kishida.

O primeiro-ministro da Coreia do Sul, Han Duck-soo, disse que um lançamento direto de mísseis "nunca deve ser tolerado".

"A comunidade internacional deve responder de forma decisiva", afirmou Han.

- Aumento das pressões -

No domingo, o presidente americano, Joe Biden, se reuniu com os líderes do Japão e Coreia do Sul à margem da cúpula da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) no Camboja.

Os três países lançaram uma advertência similar contra um eventual teste nuclear, o que a Coreia do Norte qualificou como prova da hostilidade dos Estados Unidos.

Apesar da pressão, o governo de Biden acredita que o país com mais chances de exercer uma influência sobre a Coreia do Norte é a China.

Biden se reuniu na segunda com o presidente chinês, Xi Jinping, à margem da cúpula do G20 na Indonésia e expressou sua confiança de que Pequim não está tentando levar a Coreia do Norte a uma nova escalada.

O presidente democrata tem demonstrado disposição para iniciar um diálogo com a Coreia do Norte, mas Pyongyang não mostrou interesse em abrir uma via de negociações.

O líder norte-coreano Kim Jong Un se reuniu três vezes com o antecessor de Biden, Donald Trump, o que aliviou as tensões mas não culminou em nenhum acordo duradouro.

bur-sct/pdw/dva/an/es/jc