Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.843,70
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    29.282,24
    -746,74 (-2,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,20
    -20,18 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.825,25
    -53,00 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1510
    -0,0678 (-1,30%)
     

EUA e 60 países se unem para promover internet livre

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
(Arquivo) Homem acessa a internet em um café de Uganda (AFP/Badru Katumba) (Badru Katumba)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Sessenta países liderados pelos Estados Unidos lançaram nesta quinta-feira uma iniciativa para promover uma internet segura e livre, diante do que consideram um aumento do autoritarismo digital por parte de governos como o russo e o chinês.

A chamada Declaração para o Futuro da Internet (DFI) busca recuperar "a imensa promessa" da internet, rechaçando o "aumento do autoritarismo digital" para assegurar o fortalecimento da democracia, proteger a privacidade e promover uma economia mundial livre, disse a Casa Branca.

Este objetivo se vê ameaçado cada vez mais por governos que reprimem a liberdade de expressão e o acesso às notícias, difundem informações falsas ou suprimem a internet, afirma a declaração.

Nos últimos meses, desde a invasão russa da Ucrânia, Moscou "tem promovido agressivamente a desinformação no país e no exterior, censurado as fontes de notícias da internet, bloqueado ou fechado sites legítimos e, inclusive, chegou a atacar a infraestrutura de internet da Ucrânia", disse a jornalistas um alto funcionário do governo de Joe Biden. "A Rússia, no entanto, não está sozinha", acrescentou a fonte, que também citou a China.

Entre os 60 países que apoiam a iniciativa, há nações desenvolvidas, como Alemanha, Austrália, Canadá, França, Japão e Reino Unido, e em desenvolvimento, como Argentina, Chipre, Eslovênia, Quênia e Montenegro, além da Ucrânia. Na América Latina, o texto foi assinado por Argentina, Colômbia, Costa Rica, Peru, República Dominicana e Uruguai.

Apesar de não ser legalmente vinculante, a declaração estabelece "princípios fundamentais" e "pede comprometimento dos governos para promover uma internet aberta, gratuita, global, interoperável, confiável e segura para o mundo", destacou outro funcionário do alto escalão do governo Biden. O esforço visa a combater a fragmentação da internet, mas "respeitará a autonomia regulatória" de cada país, disse.

A declaração também reafirma o compromisso com uma só internet global e menciona a necessidade de garantir um acesso justo para os grupos desatendidos.

hs/ad/cs/ad/gm/dd/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos