Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.131,79
    -204,77 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

EUA devem registrar desaceleração na criação de vagas de trabalho em agosto, mas ainda forte

Anúncio de vagas em aberto é visto em filial da Starbucks, em Nova York, EUA

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - Os empregadores norte-americanos provavelmente continuaram a contratar trabalhadores em agosto, enquanto aumentavam constantemente os salários, sinais de força persistente no mercado de trabalho que poderiam encorajar o Federal Reserve a entregar um terceiro aumento da taxa de juros de 0,75 ponto percentual este mês .

O relatório de emprego do Departamento do Trabalho será divulgado nesta sexta-feira uma semana depois de o chair do Fed, Jerome Powell, alertar os norte-americanos sobre um período doloroso de crescimento econômico lento e possivelmente de aumento do desemprego, conforme o banco central dos Estados Unidos aperta agressivamente a política monetária para conter a inflação.

O crescimento sólido de empregos previsto para o mês passado seria mais uma evidência de que a economia continua a se expandir mesmo com a contração do Produto Interno Bruto no primeiro semestre do ano. É também um sinal de que o Fed ainda precisa esfriar o mercado de trabalho, apesar dos aumentos dos juros.

"Se ainda estamos falando de um crescimento do emprego de 300.000, e uma taxa de desemprego de cerca de 3,5% ou 3,6%, acho que o Fed realmente pensa que o mercado de trabalho pode absorver um aperto mais agressivo", disse Will Compernolle, economista sênior da FHN Financial. "Estamos bastante longe de qualquer dor no que diz respeito ao mercado de trabalho."

De acordo com pesquisa da Reuters com economistas, a economia dos EUA deve ter aberto 300.000 postos de trabalho no mês passado, depois de 528.000 em julho. Isso marcaria o 20º mês consecutivo de crescimento de empregos. Embora esse seja o menor aumento em 16 meses, ainda estaria muito acima da média pré-pandemia.

As estimativas para a abertura de vagas variaram de 75.000 a 450.000. A taxa de desemprego deve permanecer inalterada na mínima pré-pandemia de 3,5%.