Mercado abrirá em 8 h 39 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,67
    +0,62 (+0,95%)
     
  • OURO

    1.687,70
    +9,70 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    53.674,64
    +3.249,22 (+6,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.081,62
    +57,42 (+5,61%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.029,60
    +286,35 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    12.453,00
    +155,75 (+1,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

EUA detectam primeiro caso de variante brasileira do novo coronavírus

·2 minuto de leitura
Membro da Cruz Vermelha analisa amostra em teste de antígio para a covid-19 em centro de exames em Saint-Gilles, sudeste da França, 19 de novembro de 2020

O primeiro caso de uma variante do novo coronavírus surgida recentemente no Brasil foi confirmado nos Estados Unidos, informaram autoridades sanitárias do estado de Minnesota nesta segunda-feira (25).

O Departamento de Saúde de Minnesota informou, em um comunicado, que "o Laboratório de Saúde Pública encontrou a variante do vírus SARS-CoV-2 conhecido como a variante P.1 do Brasil em uma amostra de um morador de Minnesota com histórico recente de viagem ao Brasil".

O paciente, morador da região do metrô de Twin Cities, de Minneapolis e Saint Paul, testou positivo para a covid-19 no começo de janeiro e foi aconselhado a se isolar, destacou o comunicado. Informações laboratoriais subsequentes revelaram que se tratava de uma infecção pela variante brasileira do coronavírus.

Este caso, assim como a descoberta de outros três casos da variante britânica em Minnesota nas últimas semanas, reforça "porque é tão importante limitar as viagens durante uma pandemia tanto quanto possível", informou, em um comunicado, a epidemiologista Ruth Lynfield.

Na segunda-feira, o presidente Joe Biden voltou a impor a proibição a viagens à maioria de cidadãos não americanos que tenham estado na Grã-Bretanha, Brasil, Irlanda e grande parte da Europa.

Biden também estendeu a proibição a viajantes que tenham estado recentemente na África do Sul em meio a alertas de que novas variantes da covid-19, mais transmissíveis já estavam se estabelecendo nos Estados Unidos.

Na semana passada, o presidente recém-empossado reforçou as regras de uso de máscaras e determinou a quarentena para pessoas que chegarem de avião aos Estados Unidos, enquanto tenta conter o agravamento da crise sanitária causada pela pandemia no país.

Mais de 25 milhões de casos de covid-19 foram registradas nos Estados Unidos desde que a pandemia começou, segundo contagem da Universidade Johns Hopkins.

A marca foi alcançada apenas cinco dias depois de os Estados Unidos, o país mais atingido pela pandemia, terem registrado mais de 400 mil mortos pela doença.

to/bgs/mvv