Mercado abrirá em 4 h 15 min
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,55
    -0,07 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.840,80
    +10,50 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    21.421,81
    +1,35 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    467,21
    +13,31 (+2,93%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.274,63
    +65,82 (+0,91%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.245,25
    +104,75 (+0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5367
    -0,0157 (-0,28%)
     

EUA, Brasil, Argentina, México e Canadá acordaram em produzir mais alimentos e fertilizantes

Estados Unidos, Brasil, Argentina, México e Canadá adotaram a Declaração Conjunta de Exportadores Agrícolas, que inclui um aumento na produção de alimentos e fertilizantes, informou nesta terça-feira (14) o chefe da diplomacia americana para a América Latina, Brian Nichols.

"Juntos, aumentaremos a produção de alimentos para exportação, a produção e transporte de fertilizantes e a eficiência agrícola", escreveu no Twitter, especificando que a declaração foi adotada durante a Cúpula das Américas, realizada na semana passada em Los Angeles.

De acordo com um comunicado da Casa Branca, os cinco países dizem que, como grandes exportadores agrícolas, podem "fortalecer a segurança alimentar global".

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) estima que os países importadores de alimentos pagarão mais, mas receberão menos em 2022, devido à guerra na Ucrânia.

A invasão russa da Ucrânia, lançada em 24 de fevereiro, teve um impacto global, agravando a crise alimentar em muitos países devido ao aumento dos preços de grãos e fertilizantes.

Os cinco países decidiram, portanto, agir, num contexto em que quase uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso a alimentos adequados, em que as interrupções nas cadeias de suprimentos obstruem o comércio e as mudanças climáticas ameaçam as colheitas.

O objetivo é maximizar a oferta de alimentos para tentar "manter a estabilidade de preços" e garantir que as sanções pela guerra não afetem esses produtos.

Os signatários também se comprometem a prestar assistência humanitária aos mais vulneráveis, com doações.

Para apoiar um maior acesso a fertilizantes, Estados Unidos, Brasil, Argentina, México e Canadá pretendem aumentar sua produção e otimizar seu uso por tonelada de alimento produzido.

A invasão da Ucrânia pela Rússia, dois importantes produtores de fertilizantes, abre uma corrida para a produção desses insumos, principalmente nas Américas.

A Rússia é o maior exportador de fertilizantes do mundo, com vendas de 7,6 bilhões de dólares por ano em 2020, segundo o Observatório Econômico da Competitividade (OEC), praticamente paralisado pela guerra e pelas sanções internacionais.

Sua produção cobriu 12,1% da oferta global.

erl/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos