Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,82
    -0,54 (-1,03%)
     
  • OURO

    1.824,30
    -5,60 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    36.003,79
    +69,62 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,71
    -33,43 (-4,55%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.450,05
    -123,81 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.265,82
    -253,36 (-0,89%)
     
  • NASDAQ

    12.756,00
    -46,25 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3865
    -0,0061 (-0,10%)
     

EUA autoriza vacina da Moderna, a segunda contra a covid-19

·3 minuto de leitura
Logotipo da empresa Moderna, em Massachusetts

Os Estados Unidos concederam a autorização emergencial para a vacina da Moderna contra a covid-19 nesta sexta-feira, anunciou a Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA).

O produto da empresa de biotecnologia americana se juntará ao da parceria Pfizer/BioNTech e poderá ser distribuído durante a enorme campanha de vacinação que começou na segunda-feira nos Estados Unidos.

"Parabéns, a vacina da Moderna já está disponível!", escreveu o presidente Donald Trump no Twitter.

A vacina Pfizer/BioNTech, autorizada há sete dias, teve o aval concedido pela FDA um dia após receber a opinião favorável de um comitê de especialistas americanos.

Se o produto Pfizer/BioNTech já havia estabelecido um recorde, a Moderna deu um passo a mais: sua vacina foi aprovada 19 dias depois do pedido de autorização, contra 22 no caso da Pfizer.

"Com duas vacinas agora disponíveis para prevenção contra a covid-19, o FDA deu um novo passo crucial na luta contra esta pandemia", disse o diretor da agência, Stephen Hahn.

A distribuição da dosagem, pensada por meses, deve começar rapidamente. O objetivo era "ter os caminhões literalmente esperando ao lado da fábrica para que possam carregá-los e partir assim que o FDA aprovasse" a vacina, disse Stéphane Bancel, CEO da Moderna, à AFP.

A vacina, da qual o governo dos Estados Unidos já comprou previamente 200 milhões de doses (ante 100 milhões da Pfizer), é 94,1% eficaz, de acordo com uma síntese de dados apresentados pela Moderna.

A empresa sediada em Massachusetts se comprometeu a distribuir 20 milhões de doses até o final de dezembro, mais 80 milhões no primeiro trimestre de 2021 e os outras 100 milhões no segundo trimestre (ou seja, até o final de junho). Como a vacina é administrada em duas doses com intervalo de quatro semanas, irá imunizar cerca de 100 milhões de pessoas vacinadas.

- "Uma façanha" -

A Moderna, que recebeu 2,5 bilhões de dólares em financiamento federal como parte da Operação Warp Speed, desenvolveu sua vacina em parceria com o Instituto de Doenças Infecciosas dos Estados Unidos.

A fórmula da empresa pode ser armazenada a -20° C, e não a -70° C como a vacina Pfizer, temperatura muito inferior aos freezers convencionais e que obrigou o grupo a desenvolver recipientes específicos para transporte.

O "engarrafamento" ocorre nas instalações da subcontratada Catalent em Bloomington, Indiana, para onde a Moderna envia grandes bolsas de 50 litros da vacina produzida em New Hampshire.

O presidente do Meharry Medical College, James Hildreth, membro do comitê de especialistas da FDA, que deu parecer positivo sobre a vacina, disse na quinta-feira que projetar e licenciar as vacinas Pfizer e Moderna em menos de um ano foi "uma façanha incrível".

A prioridade de imunização são os profissionais da saúde e residentes de casas de repouso, conforme recomendação das autoridades.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com mais de 313.000 mortes e mais de 17,4 milhões de casos confirmados de covid-19.

vgr/cjc/ll/am