Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.009,57
    +33,85 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

EUA aprovam primeiro tratamento que retarda o começo do diabetes tipo 1

Nos Estados Unidos, a agência federal Food and Drug Administration (FDA) autorizou, na quinta-feira (17), o primeiro medicamento para retardar a evolução do diabetes tipo 1. A medicação Tzield poderá ser usada em crianças com 8 anos ou mais e em adultos, desde que a doença tenha sido diagnosticada precocemente (sem sintomas).

O remédio que atrasa a evolução do diabetes tipo 1 é um tipo de anticorpo monoclonal, produzido pelas farmacêuticas ProventionBio e Sanofi. No mercado, a fórmula, que é administrada por infusão intravenosa, recebe o nome de Tzield (teplizumab-mzwv).

“O potencial do medicamento em atrasar o diagnóstico clínico de diabetes tipo 1 pode proporcionar aos pacientes entre meses a anos sem o fardo da doença”, afirma John Sharretts, do Centro de Avaliação e Pesquisa de Medicamentos da FDA, em comunicado.

Como funciona o Tzield?

EUA aprovam medicamento Tzield que retarda a evolução do diabetes tipo 1 em pacientes sem sintomas (Imagem: LightFieldStudios/Envato)
EUA aprovam medicamento Tzield que retarda a evolução do diabetes tipo 1 em pacientes sem sintomas (Imagem: LightFieldStudios/Envato)

"O Tzield pode desativar as células imunes que atacam as produtoras de insulina [a causa da doença], enquanto aumenta a proporção de células que ajudam a moderar a resposta imune [evitando a destruição de mais células produtoras de insulina]", explica a FDA sobre o mecanismo de atuação do anticorpo monoclonal.

Nos ensaios clínicos, a medicação atrasou a progressão para diabetes tipo 1 em pouco mais de dois anos. No entanto, os benefícios do medicamento se prolongaram por mais tempo em alguns pacientes. No momento, ainda não se sabe o porquê.

Entre os efeitos colaterais da medicação observados durante os estudos clínicos, a FDA destaca os três mais comuns:

  • Queda na concentração de alguns tipos de glóbulos brancos;

  • Erupção cutânea;

  • Dor de cabeça.

Quando usar o medicamento aprovado nos EUA para o diabetes?

Por enquanto, a agência de saúde dos EUA somente autorizou o uso do anticorpo monoclonal para pacientes nos estágios iniciais do diabetes tipo 1 em adultos (no máximo no estágio 3) e em crianças a partir dos 8 anos (estágio 2).

O estágio do diabetes pode ser confirmado por exames de sangue que medem biomarcadores da condição no organismo, já que, neste momento, os pacientes ainda não apresentam sintomas e sinais da doença.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: