Mercado fechado

EUA anuncia acordo com México para frear exportações de aço de países terceiros

·2 minuto de leitura
O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, antes do jantar de trabalho na Casa Branca, em 8 de julho de 2020, em Washington, D.C.
O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, antes do jantar de trabalho na Casa Branca, em 8 de julho de 2020, em Washington, D.C.

O México prometeu exercer uma vigilância apertada para impedir as exportações aos Estados Unidos de aço de terceiros através de seu território, em troca da qual Washington manterá o livre comércio no setor, anunciou nesta quinta-feira (5) o escritório do representante comercial dos Estados Unidos (USTR). 

O USTR observou que os dois países, parceiros juntamente com o Canadá no Acordo de Livre Comércio da América do Norte (T-MEC), conseguiram concluir "com sucesso" as consultas sobre a questão do aço.

O regime de fiscalização de exportação visa evitar o transbordo de produtos como tubos, tubos e produtos de aço semiacabados da China e de outros países para os Estados Unidos via México. 

O comércio entre o México e os Estados Unidos não está sujeito a nenhuma tarifa alfandegária nos termos do acordo trilateral com o Canadá. 

Alguns países exportam seus produtos para o México antes que ele os encaminhe para os Estados Unidos, como uma forma de evitar tarifas. 

Os exportadores mexicanos de aço não poderão mais exportar livremente os produtos desse setor. Eles provavelmente precisarão de autorização prévia. 

"O México estabelecerá um regime de vigilância estrito para as exportações de placas de metal não norte-americanas e núcleos de transformadores elétricos", disse o USTR em seu comunicado. 

Os Estados Unidos e o México também realizarão consultas "em intervalos regulares" sobre a implementação dessas medidas, bem como sobre a situação do comércio bilateral e as condições de mercado desses produtos. 

Em um comunicado em separado, o Departamento de Comércio dos Estados Unidos anunciou o início de novas investigações sobre uma possível evasão das regulamentações dos Estados Unidos sobre direitos antidumping e compensatórios para tubos de aço destinados a campos de petróleo da China. 

O departamento estudará "se as chapas e tiras de aço laminadas a quente da China são exportadas para Brunei e Filipinas para um tratamento menor antes de serem exportadas para os Estados Unidos". 

O governo Trump suspeita que a China contorna as regulamentações para exportar esses produtos para os Estados Unidos por meio desses dois países.

Dt/lo/esp/ll/gma/cc/mvv