Mercado fechará em 3 h 15 min

EUA amplia sanções ao setor turístico de Cuba

·2 minutos de leitura
Mulher caminha de máscara pelas ruas de Havana em 14 de setembro de 2020
Mulher caminha de máscara pelas ruas de Havana em 14 de setembro de 2020

O governo americano anunciou, nesta quarta-feira (23), um endurecimento das sanções contra o setor de turismo de Cuba, proibindo pessoas sujeitas à jurisdição dos Estados Unidos de se hospedarem em propriedades designadas como pertencentes ao governo de Havana, entre outras medidas.

"As mudanças restringem a acomodação em certas propriedades em Cuba; a importação de bebidas alcoólicas de origem cubana e de tabaco; a assistência a, ou a organização, de reuniões profissionais, ou de conferências em Cuba; e a participação em determinados eventos públicos", informou o Departamento do Tesouro em um comunicado.

O governo Trump reverteu a política de abertura em relação a Cuba iniciada por seu antecessor democrata, Barack Obama, lançando uma bateria de sanções econômicas para restringir as receitas cambiais do governo de Havana. 

O anúncio chega a 40 dias das eleições presidenciais nos Estados Unidos, onde o estado da Flórida é um forte bastião eleitoral - com 29 votos - e onde existe uma importante colônia de cubanos que se opõe ao governo de Havana. 

Nesta quarta-feira, Trump homenageou na Casa Branca os veteranos da fracassada invasão da Baía dos Porcos que tentaram derrubar Fidel Castro em 1961 e também lembrou os 40 anos de exílio em massa de cubanos nos Estados Unidos conhecido como o êxodo de Mariel. 

"O governo cubano tem redirecionado a receita das viagens autorizadas para seu próprio benefício, muitas vezes às custas do povo cubano", disse o secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin. 

O diretor-geral para os Estados Unidos da chancelaria cubana, Carlos Fernández de Cossío, denunciou uma "nova medida de agressão" e reagiu com ironia à homenagem aos veteranos da fracassada invasão. 

"O presidente Trump, em um curioso movimento eleitoral, encontra resquícios da brigada mercenária que o governo dos Estados Unidos lançou na agressão militar contra Cuba em 1961 e que, apesar de suas poderosas armas e árdua preparação militar, foi derrotada em menos de 72 horas", afirmou no Twitter.

Com esta atualização das restrições, o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros(OFAC) proibirá qualquer pessoa sujeita à jurisdição dos Estados Unidos de permanecer, pagar por acomodação ou fazer uma reserva para si ou para terceiros em qualquer propriedade identificada pelo Departamento de Estado como propriedade do governo de Cuba. 

O regulamento também afeta as propriedades nas mãos de funcionários sancionados ou membros do Partido Comunista de Cuba designados com restrições ou seus parentes próximos. 

"A proibição do uso de hotéis de propriedade do governo cubano implicará em menos voos dos Estados Unidos a Cuba e que os voos serão mais uma vez apenas para cubano-americanos que visitem suas famílias", explicou à AFP John S. Kavulich, presidente da organização Conselho de Comércio e Economia entre os Estados Unidos e Cuba.

an/gma/cc