Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.924,88
    -237,70 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

EUA alertam para alta nos roubos de criptomoedas em plataformas DeFi

As plataformas de finanças descentralizadas (DeFi, na sigla em inglês) voltaram a ser o assunto no meio da cibersegurança, desta vez como parte de um alerta do FBI. No comunicado, a agência aponta para um aumento na busca por vulnerabilidades em contratos inteligentes pelos bandidos, que visam o furto de criptomoeda e a aplicação de golpes em empresas e usuários do setor.

O alerta acompanha uma cifra alarmante. De acordo com dados do governo americano, apenas entre janeiro e março de 2022, foram roubados US$ 1,3 bilhão (R$ 6,6 bilhões) em criptomoedas, sendo que 97% desse montante foi desviado a partir de plataformas DeFi. É um aumento de 72% em relação ao que foi registrado no mesmo período do ano passado.

Entre as explorações mais comuns a partir destas brechas estão o uso de falhas na verificação de assinaturas digitais pelas pontes, usadas para drenar todos os fundos de uma conta, ou problemas na emissão e autorização de contratos inteligentes. Fora das plataformas, vulnerabilidades também estariam sendo usadas para manipular preços de criptomoedas ou ataques voltados aos sistemas de checagem das plataformas, de forma a permitir transferências fraudulentas.

A complexidade desses sistemas conectados é a chave para as vulnerabilidades e, também, para o maior interesse dos criminosos nos sistemas descentralizados, que também acompanha a movimentação crescente no mercado de criptomoedas. Isso vale, inclusive, para agentes ligados a estados-nação, que são motivo de atenção constante do governo dos Estados Unidos.

Como as investigações encontraram os responsáveis pelos roubos de criptomoedas?

Em abril, por exemplo, as autoridades americanas ligaram o ataque à ponte do game online Axie Infinity ao grupo cibercriminoso Lazarus, uma das principais quadrilhas ligadas ao regime da Coreia do Norte. As perdas foram calculadas em US$ 625 milhões (R$ 3,1 bilhões), no maior roubo de criptomoedas registrado na história e, também, responsável pelo valor exorbitante citado pelo FBI em seu relatório.

O alerta é voltado, principalmente, aos investidores nos ativos digitais, que devem conhecer os riscos de trabalhar com finanças descentralizadas e preferir nomes conceituados e reconhecidos do setor. A recomendação é de cautela no aporte financeiro e, em caso de dúvidas ou falta de conhecimento técnico, a busca por alternativas ou aconselhamento profissional.

Às empresas, a recomendação é quanto à aplicação de auditorias e sistemas de verificação de códigos mais restritos, por firmas independentes. O mesmo também deve valer para os próprios contratos inteligentes, enquanto plataformas de desenvolvimento e programação colaborativa também devem ser monitoradas em busca de atividades suspeitas ou tentativas de intrusão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: