Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,83
    -0,09 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.836,20
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    56.200,63
    -2.023,75 (-3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.486,29
    -75,01 (-4,80%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.224,87
    -293,47 (-0,99%)
     
  • NASDAQ

    13.340,75
    -16,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3422
    +0,0020 (+0,03%)
     

EUA alegam que China tem falhado com compromissos de propriedade intelectual de acordo

David Lawder
·1 minuto de leitura
Bandeiras dos EUA e China no Pentágono

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - A China tem falhado em seus compromissos de proteger a propriedade intelectual norte-americana na "Fase 1" do acordo comercial entre os Estados Unidos e o país asiático assinado no ano passado, informou o escritório comercial do governo Biden nesta sexta-feira.

O relatório "Especial 301", do Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês) acerca da propriedade intelectual afirmou que a China alterou sua Lei de Patentes, Lei de Direitos Autorais e Lei Criminal no ano passado e publicou vários projetos de medidas regulatórias de propriedade intelectual.

"No entanto, esses passos em direção à reforma exigem uma implementação eficaz e ficam aquém de toda a gama de mudanças fundamentais necessárias para melhorar o cenário de propriedade intelectual na China", disse o USTR.

Os compromissos foram parte de um acordo abrangente entre o governo do ex-presidente Donald Trump e Pequim, que incluiu mudanças regulatórias acerca de biotecnologia agrícola e compromissos de comprar cerca de 200 bilhões de dólares em exportações norte-americanas em dois anos.

O relatório do USTR disse que ainda há incerteza sobre a eficácia das mudanças legais chinesas, enquanto os problemas de longa data com marcas registradas e falsificações persistem. Ele também disse que as autoridades chinesas fizeram declarações de que os direitos de propriedade intelectual devem ser vinculados à segurança nacional e à necessidade de desenvolver inovações "nativas".

“Tais declarações e medidas levantam preocupações sobre a exigência e pressão da transferência de tecnologia e sobre se a proteção e execução da propriedade intelectual serão aplicadas de forma justa aos detentores de direitos estrangeiros na China”, disse o USTR.

((Tradução Redação Brasília, 55 61 33296012)) REUTERS GP MPP