Mercado fechará em 5 mins
  • BOVESPA

    125.903,97
    +851,19 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.941,61
    +673,16 (+1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,13
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.797,90
    -3,90 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    39.802,48
    +5.466,79 (+15,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    944,32
    +28,84 (+3,15%)
     
  • S&P500

    4.421,65
    +9,86 (+0,22%)
     
  • DOW JONES

    35.138,03
    +76,48 (+0,22%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.102,00
    +4,00 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1058
    -0,0158 (-0,26%)
     

EUA ainda não têm planos de retomar diálogo econômico com China

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, e sua equipe não têm planos de retomar o diálogo econômico regular com a China que guiou os laços entre as duas nações durante os governos Bush e Obama. Por enquanto, a suspensão herdada da era Trump deve continuar.

Embora a equipe de Yellen e outros departamentos estejam em contato com representantes chineses, a expectativa por enquanto não é reiniciar as negociações formais de alto nível, segundo pessoas a par da situação.

Uma porta-voz do Tesouro dos EUA não comentou de imediato.

O desinteresse em reabrir canais ativos sob a presidência de Barack Obama reforça as evidências da postura mais dura do governo Joe Biden em relação à China, que aponta para uma deterioração contínua dos vínculos entre as duas maiores economias do mundo.

Várias medidas dos EUA nos últimos dias - como o planejado alerta para empresas americanas em Hong Kong, novos controles de importação para a região de Xinjiang e conversas sobre um acordo de comércio digital que excluiria o governo de Pequim - destacam que Biden planeja estender e até mesmo aprofundar a abordagem mais confrontadora do ex-presidente Donald Trump.

Autoridades do governo Biden dizem que a estratégia dos EUA é uma reação ao comportamento agressivo da própria China. Essa postura forçará escolhas difíceis para investidores e empresas no meio do que o próprio Biden descreveu como uma batalha decisiva do século 21 - e pode surpreender os que esperavam uma abordagem mais suave sob o presidente democrata.

Na segunda-feira, Yellen classificou a China entre os países que ameaçam a “ordem internacional baseada em regras” construída após a Segunda Guerra Mundial, juntamente com a Rússia e a Bielorrússia. As declarações foram feitas após uma reunião de ministros das Finanças do G20, enquanto a delegação chinesa participou remotamente, evitando o possível primeiro encontro entre Yellen e autoridades chinesas.

Em 2006, o então secretário do Tesouro Henry Paulson, durante o governo George W. Bush, lançou o chamado Diálogo Econômico Estratégico, que reunia ministros das Finanças, bancos centrais e funcionários do Ministério de Relações Exteriores - entre outros - duas vezes por ano. Isso teve seguimento como Diálogo Estratégico e Econômico anualmente depois que Obama se tornou presidente.

Essas conversas foram suspensas em 2018, depois de uma reunião do grupo no Departamento do Tesouro em 2017 sob o então secretário Steven Mnuchin, que não resultou em uma declaração conjunta.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos