Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,38
    -0,08 (-0,13%)
     
  • OURO

    1.761,20
    -5,60 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    63.259,02
    +103,64 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,08
    +21,14 (+1,53%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.792,25
    -0,89 (-0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.648,32
    +5,63 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    13.967,25
    -46,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7094
    -0,0117 (-0,17%)
     

EUA ainda estão longe das metas do Fed e suporte é necessário por "algum tempo", mostra ata do Fomc

·2 minuto de leitura
Sede do Federal Reserve, em Washington

WASHINGTON (Reuters) - Apesar do ganho de tração da economia norte-americana, autoridades do Federal Reserve permaneceram cautelosas sobre a continuidade dos riscos da pandemia e se comprometeram com o suporte da política monetária até que a recuperação esteja mais assegurada, mostrou a ata da reunião de março do banco central dos Estados Unidos.

Com suas próprias estimativas projetando o mais forte crescimento econômico em quase 40 anos, "os participantes concordaram que a economia permanece longe dos objetivos de longo prazo (do Fed) e que a trajetória à frente continua altamente incerta", mostrou o documento.

"Os participantes destacaram que provavelmente levará algum tempo" até que as condições melhorem o suficiente para que o Fed avalie uma redução do apoio.

O que isso pode significar na prática, entretanto, continua obscuro, e divisões entre as autoridades do Fed sobre por quanto tempo manter o forte suporte do banco central ficaram à vista nesta quarta-feira.

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans --que concorda com a maioria de seus colegas que os juros provavelmente precisarão permanecer perto de zero até 2023--, disse ver um período confortável de inflação mais alta neste ano, mas que o Fed não deveria se movimentar até que tenha certeza de que os preços não voltarão a cair abaixo da meta de inflação de 2%.

"Nós realmente precisamos ser pacientes e dispostos a ser mais ousados do que a maioria dos banqueiros centrais mais conservadores escolheriam ser", disse ele a repórteres.

Separadamente, o presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan, reiterou suas antigas preocupações de que juros baixos e as compras de títulos pelo Fed podem alimentar excessos e desequilíbrios nos mercados.

Quando a pandemia diminuir, disse ele, o Fed deveria reduzir suas compras de títulos e avançar em direção a uma alta de juros em 2022. Kaplan sinalizou poder até estar aberto a fazer ambos os movimentos de uma vez.

Na reunião de março, o Fed não fez mudanças em sua taxa de juros, que está próxima de zero, nem no ritmo de 120 bilhões de dólares em compras mensais de títulos e tampouco mexeu em sua promessa de manter tudo como está até que a economia esteja recuperada da perda de empregos e de outros danos financeiros provocados pela pandemia e a recessão associada.

(Por Howard Schneider, Ann Saphir e Jonnelle Marte)