Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.600,91
    +25,31 (+0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Ethereum vai processar 100 mil transações por segundo

Uma nova atualização do Ethereum programada para ser ativada em 19 de setembro vai reduzir o consumo de energia utilizada pela criptomoeda e tornará a rede do ativo uma blockchain ecologicamente sustentável, capaz de processar 100 mil transações por segundo (TPS).

A criptomoeda número dois em popularidade no planeta passará pela atualização chamada de “The Merge”, que será responsável pela alteração do mecanismo de consenso proof-of-work para proof-of-stake, entre outras mudanças. O principal motivo para essa alteração é eliminar os problemas da rede, que são mais evidentes conforme aumenta o número de usuários e transações no protocolo Ethereum. Isso torna o sistema lento, congestionado e com altas das taxas.

A “The Merge “ ou Ethereum 2.0, é uma atualização cujo propósito é melhorar a velocidade, a eficiência e escalabilidade do ETH para que sua rede consiga processar mais transações, de maneira rápida e com taxas acessíveis.

A criptomoeda Ethereum é a segunda maior moeda digital do mercado. O ativo vai passar por uma atualização chamada "The Merge" e vai processar mais de 100 mil transações por segundo (TPS) (Imagem:Reprodução/envato/rthanuthattaphong)
A criptomoeda Ethereum é a segunda maior moeda digital do mercado. O ativo vai passar por uma atualização chamada "The Merge" e vai processar mais de 100 mil transações por segundo (TPS) (Imagem:Reprodução/envato/rthanuthattaphong)

Outro motivo é que o “proof of work”, sistema utilizado pela Ethereum e também pelo Bitcoin, precisa de grande poder computacional exigindo um alto consumo de energia dos computadores utilizados nos processos. O “proof of stake” é um sistema muito mais acessível, qualquer pessoa pode “travar” uma quantidade de “tokens” e utilizar suas criptomoedas por um período de tempo definido, com o propósito de validar as transações, nesse caso, gastando o mínimo de energia.

Como incentivo os indivíduos que participam “travam” suas moedas digitais na rede e recebem novas criptomoedas. Com a atualização, todo o sistema de finanças descentralizadas (DeFi), projetos de gerenciamento da cadeia de suprimentos e pagamentos internacionais, baseados na rede ETH, farão parte da nova blockchain do Ethereum 2.0.

O que acontece após a fusão?

Basicamente o objetivo da fusão é realizar a mudança do protocolo de consenso. Embora a “The Merge” não resolva imediatamente os desafios enfrentados pela Ethereum, ela ajudará a preparar a rede para a “shard chains”.

Segundo o pesquisador de Ethereum, Vivek Rama, a atualização "The Merge" é a grande chance do ativo digital superar o Bitcoin e se tornar a criptomoeda número 1 (Imagem:Reprodução/envato-rthanuthattaphong)
Segundo o pesquisador de Ethereum, Vivek Rama, a atualização "The Merge" é a grande chance do ativo digital superar o Bitcoin e se tornar a criptomoeda número 1 (Imagem:Reprodução/envato-rthanuthattaphong)

Sharding, é uma técnica do sistema de gerenciamento de banco de dados (DBMS) e significa fragmentação. Ela é o centro da estratégia dos desenvolvedores da Ethereum. A fragmentação dividirá a responsabilidade pelo armazenamento de dados entre vários nós, reduzindo o trabalho de processamento e espaço de armazenamento na rede.

A ideia é dividir a Blockchain do Ethereum e o processamento de transações em fragmentos, com isso cada nó da rede só precisará armazenar um subconjunto das transações, melhorando o rendimento geral do sistema, proporcionando a escalabilidade esperada.

Banco Central Europeu quer banir criptomoedas

A mudança para o Ethereum 2.0 tem se mostrado importante para o mercado de criptomoedas Um relatório divulgado nesse mês de julho, pelo Banco Central Europeu (BCE) crítica a mineração “proof of work”, atual sistema de consenso do Ethereum e do Bitcoin.

Usando dados de várias fontes, incluindo o Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index (CBECI), o relatório revela que o consumo de energia combinado do Bitcoin e do Ethereum é maior que “países de médio porte", como Espanha, Holanda e Áustria.

O relatório também destaca como positivas, as iniciativas de transição da rede Ethereum e os esforços do Bitcoin Mining Council (Conselho de Mineração do Bitcoin) em reduzir a emissão de carbono e o incentivo a utilização de fontes de energia sustentável para a mineração de BTC.

Com o que foi apurado pelos especialistas e divulgado no relatório, pode acontecer uma possível proibição do “proof of work”. O Banco Central Europeu, declarou que certos criptoativos são altamente incompatíveis com os objetivos ambientais, sociais e de governança (ESG).

Nesse caso, as criptomoedas que não se adequarem as práticas ambientais, sociais e de governança definidas pelo governo europeu, podem ser proibidas de serem utilizadas no continente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos