Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,70
    +2,21 (+2,78%)
     
  • OURO

    1.672,40
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.261,99
    -41,14 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.031,25
    -4,25 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Ethereum: o que significa a atualização The Merge para a criptomoeda

Para muitas pessoas, criptomoedas é sinônimo de bitcoins, mesmo que esse ativo seja apenas uma das milhões que existem no mundo atualmente. Uma delas é o Ethereum, que promete entrar para história em breve com uma novidade. Chamada de "The Merge” (ou a fusão), trata-se de uma mudança no mecanismo de consenso de rede, conhecido como proof of stake (prova de interesse, em tradução livre), que deve ficar rápido e ecologicamente correto.

A fusão em questão envolve a Mainnet da Ethereum, junto com a capacidade de executar contratos inteligentes e registrar o histórico completo do blockchain, usando sua Beacon Chain proof-of-stake. Essa é a primeira vez que algo desse tipo é tentado no mercado da tecnologia blockchain, e o sucesso da novidade é tratada como essencial para o ecossistema cripto.

The Merge pode fazer Ethereum subir ainda mais

Desde seu lançamento, em 2015, o Ethereum é reconhecido por promover uma série de inovações, como que permitiram a criação de uma série de sistemas e aplicativos descentralizados, os dApps, na blockchain da criptomoeda, que permitem o processamento de informações sem a necessidade de uso de servidores centralizados na nuvem.

O token nativo do Ethereum, o ether (ETH), se aproveitou bastante desse sistema descentralizado, que ocasionou uma subida astronômica em seu preço. Desde a criação da moeda, o aumento foi de cerca de 12.500%. Parte do incremento do valor se deu em decorrência de dApps e outros projetos que usam o token, como os NFTs.

“A principal proposta de valor do ether aumenta conforme o número de tokens, contratos inteligentes e desenvolvedores que escolhem interagir com a rede Ethereum aumenta”, aponta um relatório da Fidelity Digital Asset Management. “O poder desse tipo de crescimento de rede já foi visto com o crescimento de empresas de redes sociais, que aumentavam de valor quando sua rede expandia”.

O fim do proof of work no Ethereum?

O “The Merge” acabará com a dependência da Ethereum na tecnologia proof of work, que tem como usuário mais famoso o Bitcoin. Uma das principais críticas a esse método é seu grande consumo energético, que é muito prejudicial ao meio ambiente. O proof of stake, por sua vez, cria uma rede ao fazer com que os validadores bloqueiem seu ETH para participar, o que demanda menos energia.

Para se tornar um validador da Ethereum, é necessário um investimento de 32 ETH (cerca de R$ 267.114), o que significa uma grande barreira de entrada. Por isso, muitas pessoas que têm poucas moedas criam consórcios, como a Lido e a Rocketpool. Segundo o cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin, o proof of stake será mais seguro e mais eficiente.

De acordo com o redator líder de Tecnologia da exchange de criptomoedas Bybit, Se a The Merge for um sucesso, a Ethereum terá dado um passo importante para se tornar não só a casa da segunda maior criptomoeda, mas também para criar um negócio de tecnologia mais limpa e atraente para novos investidores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: