Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.232,71
    -74,02 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Esvaziamento da Black Friday verde-amarela foi gradual no governo Bolsonaro

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O naufrágio da Semana Brasil, campanha lançada pelo governo Bolsonaro em 2019 para estimular uma temporada de promoções com temática nacionalista em setembro na tentativa de aquecer as vendas, ficou mais nítido neste ano, mas já vinha acontecendo.

Em 2019, quase 3.000 empresas e associações se cadastraram para participar da campanha no site que divulgava as lojas participantes, segundo análise da Folha de S.Paulo feita às vésperas da data. Em 2021, o mesmo site apresentava pouco menos de 200 empresas participantes, segundo levantamento feito pela reportagem.

Neste ano, a campanha ficou quase imperceptível nos shoppings. Entre as poucas lojas que fizeram referência à data em suas vitrines estão a rede de moda Brooksfield, a de perfumarias Opaque e a de calçados World Tennis.

Um dos motivos para o esvaziamento da Black Friday verde-amarela foi a polarização e a associação aos movimentos bolsonaristas.