Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.451,12
    -198,01 (-0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Estudos do tecido cerebral revelam 3 genes associados à esclerose múlipla

Ao estudar o tecido cerebral, cientistas identificaram genes ligados à esclerose múltipla, doença degenerativa do cérebro que atinge cerca de 150 mil brasileiros todos os anos. Na condição, que não tem cura, o sistema imunológico destrói a cobertura protetora de nervos cerebrais, causando distúrbios na comunicação entre o cérebro e o corpo. Os sintomas incluem perda da visão, dor, fadiga e comprometimento da coordenação motora.

Para fazer a descoberta, foram comparadas as informações genéticas e proteínas expressadas no cérebro de milhares de pacientes com diferentes níveis de desenvolvimento da esclerose múltipla. Foi dado um foco especial para a região dorsolateral do córtex pré-frontal, analisando a desregulação dos genes de risco tanto na massa cinzenta quanto na branca do órgão.

A esclerose múltipla afeta as massas branca e cinzenta do cérebro, e foi a influência de genes e suas proteínas nessas áreas que os cientistas estudaram para descobrir como a doença se desenvolve (Imagem: Pete Linforth/Pixabay)
A esclerose múltipla afeta as massas branca e cinzenta do cérebro, e foi a influência de genes e suas proteínas nessas áreas que os cientistas estudaram para descobrir como a doença se desenvolve (Imagem: Pete Linforth/Pixabay)

Filtrando genes

De início, foram identificados 51 genes com proteínas cuja elevação estava associada a riscos de esclerose múltipla, mas uma confirmação de dois estágios conseguiu estreitar esse número para 18 genes se repetindo nos cérebros dos participantes. Métodos de localização seguintes separaram 6 genes causais com variações genéticas de risco para a doença, faltando apenas mais uma etapa de estudo.

Restava apenas observar a expressão dos genes, ou seja, como eles transcreviam a proteína gerada. Ao analisar a massa cinzenta cerebral, foram identificados três níveis de expressões genéticas diferentes associadas à doença — são elas a SHMT1, a FAM120B e a ICA1L, bem como as proteínas que expressam no órgão.

A descoberta irá ajudar na busca de tratamentos melhores para a esclerose múltipla, mas passos ainda são bem iniciais (Imagem: twenty20photos/envato)
A descoberta irá ajudar na busca de tratamentos melhores para a esclerose múltipla, mas passos ainda são bem iniciais (Imagem: twenty20photos/envato)

A primeira expressão genética estava especialmente alta em casos onde a massa branca sofreu estava lesionada, enquanto a segunda aparecia tanto na massa branca lesionada quanto saudável, e a última estava anormalmente baixa tanto em massa cinzenta lesionada quanto de aparência normal.

Publicado na revista científica Annals of Clinical and Translational Neurology no dia 7 de dezembro, o estudo foi um passo importante para entendermos como a doença se desenvolve ao nível cerebral, embora ainda não saibamos como a expressão desses genes poderá ser explorada na busca por tratamentos mais eficazes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: