Mercado abrirá em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,70
    +0,56 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.841,20
    +9,40 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    35.122,95
    -528,41 (-1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    806,16
    +563,48 (+232,19%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.479,65
    -14,48 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    24.643,35
    -322,20 (-1,29%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.532,50
    +106,00 (+0,73%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1730
    -0,0170 (-0,27%)
     

Estudos mostram que células T conseguem combater ômicron

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Uma parte desconhecida do sistema imunológico parece proteger contra casos graves da variante ômicron, mesmo com a queda de anticorpos, o que ajuda a explicar por que a onda recorde de infecções não sobrecarregou hospitais até o momento.

Most Read from Bloomberg

As células T, que combatem as células infectadas pelo coronavírus, foram potencializadas o suficiente pela vacinação para a defesa contra a ômicron, como mostrado em estudos independentes da Universidade Erasmus, nos Países Baixos, e da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Os resultados podem ajudar a explicar por que a onda ômicron até agora não causou um aumento da taxa de mortalidade em países como África do Sul, Estados Unidos e Reino Unido. Ao contrário dos anticorpos, as células T podem atacar por completo a proteína spike do coronavírus, que ainda é muito semelhante à das outras cepas, mesmo com as diversas mutações presentes na ômicron.

Os pesquisadores holandeses analisaram 60 profissionais de saúde vacinados e descobriram que, embora suas respostas de anticorpos à ômicron tenham sido menores ou inexistentes em comparação com as variantes beta e delta, as respostas das células T permaneceram praticamente inalteradas, “potencialmente equilibrando a falta de anticorpos neutralizantes na prevenção ou limitando a Covid-19 grave”.

O estudo do Instituto de Doenças Infecciosas e Medicina Molecular da Universidade da Cidade do Cabo analisou pacientes que se recuperaram da Covid ou foram imunizados com vacinas da Pfizer-BioNTech ou da Johnson & Johnson. Os cientistas descobriram que entre 70% e 80% das respostas das células T avaliadas se mantiveram contra a ômicron.

Nas últimas semanas, evidências de que a nova cepa pode reduzir a proteção da vacina levou governos a acelerarem campanhas de reforço para aumentar o nível de anticorpos contra a variante.

Mas a proteção imunológica tem várias camadas. Enquanto os anticorpos bloqueiam a infecção, as células T matam as células infectadas. Isso evita que o vírus se espalhe e leve a quadros graves, escreveu Wendy Burgens, uma das autoras do estudo da Universidade da Cidade do Cabo. Em sua conta no Twitter Virus Monologues, Burgens explicou que as células T “não podem impedir que você seja infectado, mas podem minimizar danos posteriores”.

As células T são glóbulos brancos que podem se lembrar de doenças passadas, matar células infectadas por vírus e despertar os anticorpos para as defesas. Pessoas infectadas com outro coronavírus responsável pelo surto de SARS em 2003, por exemplo, ainda apresentavam resposta das células T à doença 17 anos depois.

Outro estudo revelou que doses de reforço aumentaram a produção de células T em caso de infecção pela ômicron. A aplicação da vacina da J&J em pessoas que já haviam recebido o imunizante de RNA mensageiro produziu melhores resultados, embora uma terceira dose da Pfizer-BioNTech também tenha elevado os níveis de imunidade celular e anticorpos neutralizantes após um mês, de acordo com dados do Beth Israel Deaconess Medical Center.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos