Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.669,61
    +1.430,07 (+2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Estudos afirmam que variante britânica de coronavírus não aumenta gravidade da doença

·2 minuto de leitura
Dois estudos afirmam que a variante britânica do novo coronavírus não aumenta a gravidade da doença em comparação com outras cepas, contradizendo pesquisas anteriores, mas confirmando que a variante é muito mais contagiosa

Dois estudos publicados nesta terça-feira afirmam que a variante britânica do novo coronavírus não aumenta a gravidade da doença em comparação com outras cepas, contradizendo pesquisas anteriores, mas confirmando que a variante é muito mais contagiosa.

Os autores do primeiro estudo, publicado na "The Lancet Infectious Diseases", analisaram dados de 341 pessoas internadas com Covid-19 em Londres entre 9 de novembro e 20 de dezembro, em plena emergência da variante 501Y.V1, atualmente dominante em boa parte da Europa. Um total de 58% dos pacientes haviam sido infectados por essa variante, também conhecida como B.1.1.7, e 42%, por outras cepas.

Um total de 36% dos pacientes do primeiro grupo desenvolveram a forma grave ou morreram, contra 38% do segundo grupo, o que sugere que a B.1.1.7 não aumenta a gravidade da doença. A pesquisa mostrou, no entanto, que as amostras de pacientes infectados pela variante continham, em média, uma quantidade maior de vírus, o que significa que ela é mais contagiosa.

O segundo estudo, publicado na "The Lancet Public Health", analisou dados de quase 37 mil usuários britânicos de um aplicativo criado para informar sobre sintomas da Covid e que testaram positivo entre 28 de setembro e 27 de dezembro.

Partindo das pessoas que relataram sintomas a cada semana em uma zona determinada, concluiu-se que a variante detectada pela primeira vez no Reino Unido apresentava uma taxa de reprodução 1,35 vez maior, ou seja, cada paciente infectava, em média, 35% a mais de pessoas do que aqueles que contraíam as cepas que circulavam anteriormente. A variante, no entanto, não ocasionou sintomas mais graves, nem uma probabilidade maior de ter sintomas prolongados.

Ao comentarem o primeiro estudo, três pesquisadores do Centro Nacional de Doenças Infecciosas de Singapura apontaram que as conclusões contrastam com três artigos anteriores, que associam a variante britânica a uma probabilidade maior de óbito e de desenvolvimento da forma grave de Covid. Eles destacaram que o estudo publicado na The Lancet tem a vantagem de ter usado o sequenciamento completo do vírus em suas análises, mas que a "conclusão tranquilizadora deve ser confirmada por estudos de alcance maior".

"Esse estudo se concentra nos resultados clínicos de um grupo de pessoas que já estavam internadas com Covid", aponta o epidemiologista Nicholas Davies, citado pelo British Science Media Center. "Não desmente os elementos de estudos anteriores, que tendem a mostrar que a infecção pela B.1.1.7 está associada globalmente a um risco maior de mortalidade e hospitalização entre o conjunto de indivíduos que testam positivo para o Sars-CoV-2."

pg-abb/rh/dlm/erl/lb