Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.433,72
    +14,19 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.665,58
    -541,01 (-1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,19
    -2,46 (-2,91%)
     
  • OURO

    1.797,80
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    59.010,27
    -2.995,20 (-4,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.412,28
    -62,05 (-4,21%)
     
  • S&P500

    4.554,26
    -20,53 (-0,45%)
     
  • DOW JONES

    35.515,01
    -241,87 (-0,68%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.632,50
    +87,50 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4472
    -0,0069 (-0,11%)
     

Estudo usa técnica inovadora de eletroestimulação para tratamento de Parkinson

·2 minuto de leitura

Em busca de tratamentos para pacientes que enfrentam o Parkinson — doença neurológica conhecida por afetar os movimentos do paciente —, pesquisadores norte-americanos podem ter encontrado uma fórmula para aperfeiçoar as técnicas de eletroestimulação. Em estudo com animais, a equipe da Universidade Carnegie Mellon identificou uma nova região do cérebro, onde os efeitos da estimulação cerebral profunda (ECP) são mais duradouros.

Vale ressaltar que a ECP já uma técnica conhecida para a eletroestimulação do cérebro de pacientes com Parkinson (e outras condições, distrúrbios e transtornos), mas os efeitos do tratamento são, até agora, momentâneos. No procedimento, os médicos comandam pequenos eletrodos implantados no cérebro e, com eles, enviam sinais elétricos à região que controla o movimento. Enquanto o equipamento estiver ligado, os pacientes retomam o controle de seus corpos. No entanto, basta desligar o sistema e os sintomas retornam.

Nova forma de eletroestimulação do cérebro pode trazer melhores resultados para pacientes com Parkinson (Imagem: Reprodução/Raman Oza/Pixabay)
Nova forma de eletroestimulação do cérebro pode trazer melhores resultados para pacientes com Parkinson (Imagem: Reprodução/Raman Oza/Pixabay)

“Estamos meio que brincando com a caixa preta [o cérebro]. Ainda não entendemos todas as partes do que está acontecendo lá, mas nossa abordagem de curta duração parece fornecer maior alívio dos sintomas", explicou a pesquisadora Teresa Spix sobre a nova descoberta. Na última sexta-feira (8), o estudo foi publicado na revista Science.

Nova técnica prolonga efeitos da eletroestimulação no cérebro

Os cientistas da Universidade Carnegie Mellon mesclam duas novas abordagens: rajadas curtas de estimulação elétrica; e o contato da eletroestimulação com uma região diferente do cérebro, o globo pálido. Esta região é conhecida por seu papel nas atividades que demandam coordenação motora.

“Ao encontrar uma maneira de intervir que tenha efeitos duradouros, nossa esperança é reduzir muito o tempo de estimulação, minimizando os efeitos colaterais e prolongando a vida útil da bateria dos implantes”, afirmou o pesquisador Aryn Gittis. Isso porque o aparelho precisa ficar, constantemente, ligado para que os pacientes se beneficiem da técnica atual.

“Este é um grande avanço em relação a outros tratamentos existentes”, defende Gittis. “Em outros protocolos de ECP, assim que você desliga a estimulação, os sintomas voltam. Isso parece fornecer benefícios mais duradouros — pelo menos quatro vezes mais do que o ECP convencional”, destaca o cientista.

A próxima etapa da pesquisa será, agora, validar a descoberta em humanos, o que deve ser feito, em breve, pelos pesquisadores da Allegheny Health Network (AHN). Neurocirurgião e parte da equipe, Nestor Tomycz explicou que já está, em planejamento, um estudo randomizado e duplo-cego de pacientes com doença de Parkinson para avaliar a nova técnica de eletroestimulação. No ensaio, os voluntários devem ser acompanhados por 12 meses para avaliar as melhorias nos sintomas motores da doença e na frequência de eventos adversos.

Para acessar o estudo completo sobre eletroestimulação do cérebro de pacientes com Parkinson, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos