Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.797,90
    -2.121,65 (-4,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Estudo sobre tratamento contra o Alzheimer apresenta resultados encorajadores

·1 minuto de leitura
Atividade com pacientes com doença de Alzheimer no Copper Ridge Care Center em Sykesville, Maryland, em 23 de outubro de 2009 (AFP/Saul LOEB)

A empresa biofarmacêutica suíça AC Immune apresentou, nesta terça-feira (31), resultados encorajadores de testes clínicos sobre um estudo de tratamento para a doença de Alzheimer, em um estágio intermediário de pesquisa.

Em um estudo de fase II, que corresponde ao estágio intermediário dos ensaios clínicos, o tratamento experimental denominado semorinemab demonstrou uma redução de 43,6% no declínio cognitivo após 49 semanas em pacientes leves a moderadamente afetados pela doença, informou a empresa em um comunicado.

O segundo principal critério de avaliação do estudo, que diz respeito à perda funcional nas atividades diárias, não foi atingido, afirma esta empresa biofarmacêutica especializada em doenças neurodegenerativas.

Intitulado Lauriet, este estudo realizado em parceria com a Genentech, subsidiária americana da gigante farmacêutica suíça Roche, busca avaliar esse tratamento que visa uma parte da proteína tau.

Nas taupatias (doenças neurodegenerativas), como a doença de Alzheimer, a proteína tau apresenta funcionamento anormal e forma emaranhados que causam dano celular e, em última instância, morte neuronal.

Supõem-se que a proteína tau anormal se espalha entre os neurônios, envolvendo progressivamente mais áreas do cérebro.

O semorinemab, um anticorpo monoclonal antitau experimental, foi desenvolvido para se ligar à tau e reduzir sua disseminação entre os neurônios, explica a empresa suíça no comunicado.

No estudo, esse tratamento é avaliado em relação a um placebo entre 272 pessoas distribuídas em 43 centros de pesquisa em todo o mundo.

"Esta é a primeira vez que observamos um efeito terapêutico do tratamento com anticorpos monoclonais antitau", acrescentou.

"Apesar desses resultados interessantes, continuamos cautelosos sobre o que isso pode significar para os pacientes", ponderou.

E observou que "este ensaio em pequena escala é relativamente curto" e durou 49 semanas quando a doença de Alzheimer é uma doença crônica de início lento.

/vog/eg/pc/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos