Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.381,79
    +85,68 (+0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Estudo revela quais neurônios morrem durante doença de Parkinson

Um novo estudo revelou quais neurônios específicos morrem com o surgimento da doença de Parkinson, o que pode desencadear novos tratamentos direcionados a esses neurônios vulneráveis. As descobertas foram publicadas na revista Nature Neuroscience.

O artigo menciona a degradação dos neurônios dopaminérgicos dentro de uma região do cérebro chamada substância negra, uma das principais marcas da doença de Parkinson. Essa área é responsável pela produção de dopamina, e tem um papel importante na recompensa e no vício.

A dopamina é um dos neurotransmissores, e ajuda a regular o humor, a cognição e a coordenação motora. A perda das células relacionadas com essa química pode levar a sintomas como tremores, depressão e declínio cognitivo.

Os autores desse artigo científico descobriram, no entanto, que nem todos os neurônios da dopamina presentes na substância negra são afetados. Para chegar a essa informação, o grupo analisou um total de 22.048 células cerebrais de pessoas que tiveram Parkinson antes de morrer.

A equipe mediu os padrões de expressão gênica dentro dessas células, e descobriu dez subpopulações distintas de neurônios dopaminérgicos dentro da substância negra. Um desses grupos teve presença mais notável na região inferior, padrão que já tinha sido relacionado a doenças neurodegenerativas.

A conclusão dos cientistas envolvidos no projeto é que esses neurônios podem ser os primeiros danificados, e contam com a maior expressão de genes associados ao risco de desenvolver a doença de Parkinson. Outro aspecto observado pelos pesquisadores é que esses neurônios são especialmente vulneráveis à degeneração, no caso de pessoas com suscetibilidade genética à doença.

Doença de Parkinson

Estudo revela quais neurônios morrem durante doença de Parkinson (Imagem: twenty20photos/envato)
Estudo revela quais neurônios morrem durante doença de Parkinson (Imagem: twenty20photos/envato)

Segundo o National Institute on Aging, Parkinson é um distúrbio cerebral que causa movimentos não intencionais ou incontroláveis, como tremores, rigidez e dificuldade de equilíbrio e coordenação. Os sintomas geralmente começam gradualmente e pioram com o tempo.

Conforme a doença progride, o paciente tende a ter dificuldade em andar e falar, e ainda pode ter alterações mentais e comportamentais, como problemas de sono, depressão, dificuldades de memória. A doença parece afetar mais homens do que mulheres, mas a ciência ainda não descobriu exatamente o porquê.

Um risco claro é a idade: embora a maioria das pessoas com Parkinson desenvolva a doença após os 60 anos, cerca de 5% a 10% têm início antes dos 50 anos.

Recentemente, a ciência vem se concentrando em entender melhor os neurônios. Em fevereiro, por exemplo, cientistas descobriram um tipo inédito de comunicação neuronal no cérebro. Por sua vez, a tecnologia trabalha para encontrar uma forma de reverter o Parkinson.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos