Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.512,38
    +480,41 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.801,68
    +163,32 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,13
    +0,60 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.790,40
    -7,70 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    23.930,91
    -164,37 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,15
    -2,76 (-0,48%)
     
  • S&P500

    4.305,20
    +8,06 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.152,01
    +239,57 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.536,06
    +26,91 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,34 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.663,50
    -17,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2318
    +0,0533 (+1,03%)
     

Estudo revela por que árbitros ainda erram impedimento mesmo com o VAR

O VAR chegou para solucionar os problemas de arbitragem no futebol? Qualquer pessoa que acompanha o esporte sabe que a resposta é “não”. Muito disso se deve à incapacidade em dar respostas conclusivas em momentos que dependem de extrema precisão, especialmente em lances de impedimentos considerados “ajustados”, nos quais centímetros podem decidir o resultado de um jogo. Mas por que isso acontece?

Essa pergunta foi tema de uma pesquisa conduzida por pesquisadores do Centro para Análise de Movimento, Pesquisa de Entretenimento e Aplicações (que, curiosamente, forma a sigla CAMERA em inglês) da Universidade de Bath, no Reino Unido. A conclusão: o olho humano tem grande dificuldade em determinar o momento exato em que ocorre o passe para conseguir marcar impedimentos corretamente quando o lance exige muita precisão.

De acordo com o estudo, chefiado por Pooya Soltani, os participantes, em média, julgaram que a bola foi tocada 132 milissegundos mais tarde do que ela realmente foi tocada. Pode não parecer muito, mas faz a diferença em lances de alta velocidade.

Para chegar a essa conclusão, ele gravou um jogador recebendo a bola de um companheiro de equipe. Ao mesmo tempo, o posicionamento 3D da bola era monitorando, assim como o dos atletas, com a utilização de câmeras de captura de movimento ópticas.

Os participantes, então, receberam a orientação de determinar exatamente o ponto do vídeo em que a bola é passada. Essa estimativa foi comparada com a medição com equipamentos especializados, com os quais foi possível determinar que, na média, as pessoas veem o lance com algum atraso em relação à realidade.

O estudo também concluiu que os participantes produziram estimativas mais precisas a depender do ângulo de visão. Os melhores resultados foram obtidos com imagens a 0° (visão do campo) e 90° (visão de cima).

E tem solução? Soltani aponta um caminho para minimizar esse tipo de problema: câmeras de melhor resolução e com maiores taxas de quadros. Esse último ponto é especialmente importante, porque taxas de capturas maiores produzem mais “fotos” de um mesmo lance durante a gravação, com intervalos menores entre as imagens, o que permite encontrar com mais precisão o momento de contato entre o pé e a bola e traçar a linha virtual de impedimento com menor risco de erro.

Outras sugestões incluem a utilização de múltiplos ângulos de câmera para monitorar o impedimento e a utilização de linhas mais grossas traçadas na imagem, que deixem mais claro que há um nível de incerteza em lances em que o impedimento é marginal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos