Mercado abrirá em 5 h 59 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,11
    +0,24 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.942,60
    -2,70 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.129,80
    +314,69 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.918,28
    +75,95 (+0,35%)
     
  • NIKKEI

    27.337,78
    +10,67 (+0,04%)
     
  • NASDAQ

    12.105,50
    -46,50 (-0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5210
    +0,0054 (+0,10%)
     

Estudo revela influência dos ventos da África em ciclones no Atlântico

A relação dos ventos alísios vindos da África com a formação de ciclones no Oceano Atlântico nunca esteve tão clara para os cientistas. Um novo estudo mostra que, embora estes ventos afetem a intensidade, momento e local de formação dos ciclones, a quantidade total em uma temporada não depende deles.

Utilizando um modelo meteorológico chamado de WRF (Pesquisa e Previsão do Tempo, do inglês Weather Research and Forecasting), pesquisadores simularam a formação de ciclones entre o norte da África e o Golfo do México. Para entender a influência dos ventos africanos, diferentes simulações mantiveram ou removeram estes do modelo.

Furacões e ciclones formados no Atlântico tem influência dos ventos alísios, que sopram do leste para o oeste, vindos da África (Imagem: ESA/NASA)
Furacões e ciclones formados no Atlântico tem influência dos ventos alísios, que sopram do leste para o oeste, vindos da África (Imagem: ESA/NASA)

Em concordância com outras pesquisas, a remoção dos ventos não afetou a quantidade de ciclones formados. Por outro lado, essa ausência fez com que as tempestades simuladas fossem mais fortes e mais próximas ao Golfo do México que da África. Além disso, o pico de ocorrências mudou de setembro para agosto.

As descobertas sugerem que outros mecanismos de circulação dos ventos na atmosfera estão envolvidos na formação dos ciclones, já que eles continuam a acontecer mesmo com a retirada destes ventos.

Além disso, variações a curto prazo nos alísios africanos, dentro de uma mesma estação do ano, podem influenciar na quantidade de ciclones que se tornam furacões.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: