Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.961,48
    -56,17 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Estudo revela anormalidades cerebrais significativas após a covid-19

Em um novo estudo a ser apresentado no congresso científico da Radiological Society of North America, pesquisadores descobriram anormalidades cerebrais significativas até seis meses após a infecção por covid-19.

A comunidade científica tem buscado entender os efeitos de longo prazo da covid-19, principalmente no que diz respeito à saúde neurológica. Os sintomas incluem dificuldade de pensar ou se concentrar, dor de cabeça, problemas de sono, tontura, sensação de formigamento, alteração no olfato ou paladar e depressão ou ansiedade.

Para o estudo, os pesquisadores usaram um método chamado imagem ponderada em suscetibilidade magnética. Normalmente, essa técnica ajuda a entender o quanto certos materiais (como sangue, ferro e cálcio) ficarão magnetizados em um campo magnético aplicado, e costuma ser utilizada para monitorar uma série de condições neurológicas, incluindo tumores cerebrais, por exemplo.

Através dessa técnica, os pesquisadores analisaram os dados de 46 pacientes recuperados da covid-19 e 30 que não foram infectados anteriormente.

Estudo revela anormalidades cerebrais significativas após a covid-19 (Imagem: frender/envato)
Estudo revela anormalidades cerebrais significativas após a covid-19 (Imagem: frender/envato)

Os resultados mostraram que os pacientes que se recuperaram da covid-19 apresentaram valores de suscetibilidade significativamente mais altos no lobo frontal e no tronco cerebral em comparação com controles saudáveis. Os aglomerados obtidos no lobo frontal mostram principalmente diferenças na substância branca.

Conforme sugerem os especialistas, essas regiões do cérebro estão ligadas à fadiga, insônia, ansiedade, depressão, dores de cabeça e problemas cognitivos.

Os pesquisadores também encontraram uma diferença significativa na região do diencéfalo ventral direito do tronco cerebral, região a ssociada a muitas funções corporais cruciais, incluindo a coordenação com o sistema endócrino para liberar hormônios, retransmitir sinais sensoriais e motores ao córtex cerebral.

Agora, a ideia é entender se essas anormalidades cerebrais após a covid-19 persistem a longo prazo, e por quanto tempo devem durar nesses pacientes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: