Mercado abrirá em 4 h 2 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,67 (-0,91%)
     
  • OURO

    1.809,00
    -8,20 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    39.561,02
    -2.168,05 (-5,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,48
    +13,58 (+1,43%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.102,70
    +70,40 (+1,00%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.037,50
    +81,75 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1550
    -0,0330 (-0,53%)
     

Estudo quantifica custo financeiro a vítimas de abuso sexual

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Embora esteja claro há muito tempo que as vítimas de assédio sexual muitas vezes enfrentam retaliações que podem prejudicar suas carreiras, o custo financeiro tem sido difícil de quantificar.

Um estudo publicado nesta quarta-feira pela Time’s Up e pelo Institute for Women’s Policy Research (IWPR), “Paying Today and Tomorrow”, tentou quantificar quanto as pessoas que sofreram assédio acabaram pagando. As vítimas entrevistadas enfrentaram despesas de dezenas a centenas de milhares de dólares.

Para uma mulher que trabalha em uma indústria de construção dominada por homens, o custo vitalício pode chegar a US$ 1,3 milhão, de acordo com o estudo. Até mesmo alguém forçado a deixar um emprego de baixa remuneração, como os que trabalham na indústria de fast-food, tem um total de perdas financeiras de US$ 125.600.

Os participantes do estudo vieram de várias indústrias. Quase todos disseram que perderam algum trabalho ou foram forçados a deixar seus empregos. A maioria perdeu responsabilidades e sofreu retaliação por se manifestar -- recebendo avaliações de desempenho insatisfatórias ou bônus e promoções até serem expulsos ou demitidos. Alguns permaneceram desempregados por até cinco anos.

Quando o movimento #MeToo começou em 2018, “tínhamos todas essas mulheres compartilhando suas histórias,” disse C. Nicole Mason, presidente do IWPR. Mas “tínhamos muito poucas pesquisas ou dados sobre o que isso significa para a economia, segurança e mobilidade profissional das mulheres”.

Os dados podem ser difíceis de obter. Os acordos normalmente vêm com sigilo, e o governo não exige que as empresas informem se as mulheres estão saindo devido ao assédio. “Consideramos um encargo pessoal tentar quantificar isso”, disse Mason.

Pedindo para ser identificada apenas pelo primeiro nome devido a um litígio em andamento, Marlene disse que colegas na agência onde ela trabalhava a alertaram que ela havia sido promovida pelos motivos errados.

Dois meses após iniciar como assistente executiva, seu supervisor começou a fazer comentários sobre sua aparência e vida pessoal. Então ele passou a deixar pequenos presentes com cartões escritos à mão em seu escritório à noite. Mas quando Marlene disse a ele que não estava interessada, tudo mudou -- ele começou a enviar uma enxurrada de e-mails exigindo mais trabalho. Quando ela reclamou, Marlene viu-se dispensada de seus deveres enquanto seu supervisor era promovido, segundo documentos do tribunal.

Marlene disse que concluiu que não tinha futuro na agência e pediu demissão. Ela obteve o direito de enviar uma carta ao Equal Employment Opportunity Commission por meio de um tribunal estadual. Mas também se mudou para outro estado, onde foi forçada a aceitar um emprego em uma área diferente, na qual não tinha experiência. Anos depois, Marlene disse que ainda não recebia pagamentos semelhantes aos de seu antigo emprego.

Homens também podem ser assediados. Anthoné Gerenis começou a trabalhar em uma imobiliária na Flórida aos 19 anos. Em dois anos assumiu função em recursos humanos. Um mês depois de iniciar, Gerenis alegou que um colega mais antigo fez abordagens indesejadas.

Senti “puro terror”, disse Gerenis em entrevista, porque ele “tinha toda a minha vida nas mãos”. Quando Gerenis o rejeitou, foi destituído de responsabilidades e, posteriormente, demitido, segundo arquivo da EEOC.

Título em inglês:Counting the Financial Cost to Victims of Sexual Harassment (2)

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos