Mercado fechará em 1 h 9 min
  • BOVESPA

    113.312,64
    +1.039,63 (+0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.452,65
    -68,78 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,69
    +0,79 (+1,01%)
     
  • OURO

    1.945,80
    +6,60 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    23.172,22
    -2,32 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,18
    +7,38 (+1,42%)
     
  • S&P500

    4.049,46
    +31,69 (+0,79%)
     
  • DOW JONES

    33.865,24
    +148,15 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.089,75
    +121,75 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5279
    -0,0191 (-0,34%)
     

Estudo prova que semana de 4 dias melhora receita da empresa e saúde do funcionário

Estudo mostra que jornada de trabalho de 4 dias aumenta a produtividade das empresas e bem-estar dos trabalhadores
Estudo mostra que jornada de trabalho de 4 dias aumenta a produtividade das empresas e bem-estar dos trabalhadores
  • Nenhuma das empresas que participou do teste disse que irá voltar para a jornada de 5 dias;

  • Jornada de 4 dias aumentou a produtividade e o bem-estar dos trabalhadores;

  • Estudo foi feito com 33 empresas em seis países diferentes.

Um estudo sobre a jornada de trabalho de quatro dias, que englobou 33 empresas em seis diferentes países, revelou que não só a receita dessas companhias aumentaram sob a nova modalidade de trabalho, como também a saúde e bem-estar dos funcionários.

Promovido pela 4 Day Week Global, ou "Semana de 4 Dias Global" em tradução livre, o experimento começou em fevereiro de 2022 e nele as empresas reduziram a jornada de trabalho de seus funcionários para quatro dias, ou 32 horas por semana, mas sem reduzir o salário. A ideia era avaliar se a produtividade dos trabalhadores se manteria a mesma, mas na verdade ela chegou a aumentar.

A 4 Day Week Global é uma ONG que promove a iniciativa de uma semana de trabalho de quatro dias, ajudando empresas a implementá-la e financiando pesquisas sobre o futuro do trabalho. O novo tipo de jornada ganhou força após a pandemia de COVID-19, quando houve muita dedicação em repensar a forma como trabalhamos.

Para algumas empresas pode haver alguma resistência em se adaptar ao novo padrão. Em companhias que lidam com períodos significativamente mais movimentados nas férias ou durante o verão, pode não ser possível manter a jornada nessa época. Outras empresas, como bancos, seguradoras e organizações de notícias, que seguem uma jornada de 24 horas, podem ter de se adaptar na sexta ou segunda da mesma forma como veem o fim de semana, organizando os horários para que sempre haja pessoas trabalhando.

A jornada de cinco dias nem sempre foi uma realidade. Até 1926 a jornada americana, por exemplo, era de seis dias de trabalho. A mudança ocorreu a partir do industrialista Henry Ford, que acreditava que um dia extra de folga aumentaria a produtividade dos trabalhadores e daria a eles mais tempo livre para gastar dinheiro.

Aumento de produtividade e zero desvantagem

As empresas que participaram do teste associaram não só um aumento no bem-estar e na retenção de sua equipe, mas também um aumento em suas receitas. Dentre as participantes, a receita combinada (ponderada por tamanho), aumentou 8,14%. Para algumas empresas, isso representou um crescimento 40% maior do que aquele experimentado durante o mesmo período nos seis meses anteriores.

As companhias também não relataram nenhuma desvantagem, e das 27 que responderam o questionário final, nenhuma afirmou ter planos para voltar a uma semana de cinco dias. De acordo com os testes, desde os CEOs até os funcionários júnior relataram sentir os benefícios da mudança.

O teste ainda apontou benefícios menos óbvios, como a redução de impactos no meio ambiente, menores emissões de carbono por parte dos funcionários e das empresas. Os resultados dessas métricas ainda estão em avaliação inicial, uma vez que muitas delas são difíceis de mensurar, mas a ONG afirma que espera aprofundar essas ideias e oferecer evidências mais concretas no futuro.