Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.236,57
    +2,00 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Estudo oferece esperança para o tratamento da dengue

·3 minuto de leitura

A dengue é uma doença que afeta quase 100 milhões de pessoas no mundo todos os anos, provocando sintomas como febre alta e dores intensas. Agora, uma nova pesquisa talvez tenha a resposta para um possível tratamento para o vírus.

Testes em culturas de células e ratos revelaram que um composto identificado recentemente é capaz de desarmar o vírus, impedindo o mesmo de se replicar e prevenir a doença, de acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira (6) na revista científica Nature.

A pesquisa também indica que o composto pode ser efetivo se administrado de forma preventiva, antes da infecção, ou como um tratamento após a instalação do vírus.

Para Scott Biering e Eva Harris, especialistas da Escola de Saúde Pública da Universidade da Califórnia em Berkeley, nos EUA, a descoberta é um desenvolvimento "empolgante" na batalha contra a dengue.

"[O estudo] representa um grande avanço no campo da terapêutica da dengue" afirmou a dupla, que não participou diretamente da pesquisa, em resenha publicada na Nature.

Não há dúvida de que o vírus transmitido pelo mosquito aedes aegypti representa uma ameaça para a saúde pública global, já que as estimativas indicam que ele infecta pelo menos 98 milhões de pessoas por ano e está presente em 128 países.

Além disso, como existem quatro cepas diferentes do vírus, ser infectado por uma delas não garante proteção contra as outras, e as reinfecções costumam evoluir para complicações mais graves, a chamada dengue hemorrágica.

Até o momento, não existe tratamento para o vírus, e as estratégias de mitigação se concentram no foco da transmissão, que são os mosquitos. Apenas uma vacina, a Dengvaxia, foi aprovada em alguns países, mas sua efetividade é limitada a uma única cepa.

- 'Sem precedentes' -

O composto, chamado de JNJ-A07, mostrou efeitos "sem precedentes em animais infectados", comentou à AFP Johan Neyts, professor de virologia da Universidade de Leuven, na Bélgica, que fez parte do estudo.

"Mesmo se o tratamento for iniciado no pico de replicação viral, há uma atividade antiviral significativa", acrescentou.

O JNJ-A07 age sobre a interação entre duas proteínas no vírus da dengue, que são fundamentais para a sua replicação. Testes em células, tanto humanas quanto de mosquitos, mostraram que o composto foi efetivo contra as quatro variantes.

Além disso, como o vírus evolui rapidamente, os especialistas avaliaram como o composto JNJ-A07 se sairia na medida em que o vírus sofresse mutações.

"Em células infectadas em laboratório, levou quase seis meses até que pudéssemos obter uma resistência importante [ao tratamento]", disse Neyts. "Dado que a barreira à resistência é tão alta, é muito improvável que isso se torne um problema clínico", acrescentou.

Curiosamente, as mutações que causaram resistência também pareciam tornar o vírus incapaz de se replicar nas células do mosquito. Isso poderia sugerir que, mesmo que o vírus desenvolvesse resistência ao JNJ-A07, ele não seria mais transmissível por mosquitos.

- Exames clínicos em progresso -

Segundo Neyts, a versão do composto reportada na Nature foi "otimizada" e está em desenvolvimento clínico pelo laboratório Johnson & Johnson. No entanto, muitos questionamentos ainda pairam sobre o JNJ-A07, especialmente se ele poderia aumentar a vulnerabilidade à reinfecção.

Segundo Biering e Harris, dado que o JNJ-A07 age para reduzir a viremia, que é a presença do vírus no sangue, são necessários mais estudos para determinar se o tratamento pode deixar as pessoas mais suscetíveis a contraírem dengue hemorrágica.

Apesar disso, Neyts acredita que o estudo traz possibilidades interessantes. "Ver o composto agindo de forma tão potente em animais foi de tirar o fôlego", frisou.

sah/kaf/rbu/jf/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos