Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.972,77
    +365,46 (+1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Estudo mostra resposta potente ao misturar doses da AstraZeneca com Pfizer

·2 minuto de leitura

No combate ao coronavírus SARS-CoV-2, cientistas ainda fazem novas descobertas sobre a eficácia das vacinas contra a COVID-19. Agora, pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, descobriram que adotar diferentes imunizantes na primeira e na segunda dose pode produzir uma forte resposta imunológica. No estudo, foram avaliadas combinações da vacina da Pfizer/BioNTech e da Covishield (AstraZeneca/Oxford).

A pesquisa britânica Com-COV foi projetada para verificar se a mistura de vacinas contra a COVID-19 poderia fornecer uma proteção semelhante àquela obtida quando se toma duas doses da mesma fórmula. A descoberta pode ser importante para um cenário onde há escassez de imunizantes, por exemplo.

Estudo de Oxford avalia eficácia combinada de vacinas contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Erika8213/Envato)
Estudo de Oxford avalia eficácia combinada de vacinas contra a COVID-19 (Imagem: Reprodução/Erika8213/Envato)

E quais os resultados?

Segundo os pesquisadores, qualquer combinação das vacinas da Pfizer/BioNTech e Oxford/AstraZeneca fornece uma resposta imunológica mais forte do que duas doses da vacina Oxford. Isso significa que, se for necessário misturar vacinas, a proteção ainda deve ser substancial.

No entanto, o estudo verificou diferenças nos níveis de anticorpos contra o coronavírus produzidos, dependendo de qual imunizante foi aplicado. Enquanto duas doses de Pfizer produziram os níveis mais altos de anticorpos, uma dose da vacina Oxford/AstraZeneca seguida por um reforço da Pfizer foi quase tão potente quanto.

Só que outras combinações não foram tão eficazes, quando se observa a resposta imunológica. O grupo que recebeu uma dose da Pfizer seguida por um reforço da de Oxford obteve níveis de anticorpos quase sete vezes mais baixos do que aqueles que receberam duas doses da Pfizer. Por outro lado, essa proteção era cinco vezes maior do que os níveis de anticorpos registrados em pessoas que receberam apenas duas doses da de Oxford.

“Você certamente terá um impulso extra para o seu sistema imunológico se reforçar com a vacina de RNA da Pfizer em vez de uma dose de reforço da vacina AstraZeneca”, explicou Matthew Snape, um dos cientistas da pesquisa Com-COV e professor associado da Universidade de Oxford, para o The Guardian.

As respostas imunológicas do estudo foram observadas em 463 voluntários um mês após terem recebido diferentes combinações das vacinas com quatro semanas de intervalo. No próximo mês, mais detalhes sobre a descoberta preliminar devem ser compartilhados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos