Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.035,00
    -156,27 (-0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Estudo mostra que motorista brasileiro quer andar de carro elétrico

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.11.2021 - Carro elétrico sendo abastecido. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.11.2021 - Carro elétrico sendo abastecido. (Foto: Ronny Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A depender do interesse do consumidor brasileiro, os carros elétricos tendem a crescer em vendas. Essa é a conclusão que se pode tirar da pesquisa Sustentabilidade e Mobilidade, feita pela Brain Inteligência Estratégica.

Segundo o levantamento, 65% dos entrevistados têm a intenção de dirigir um automóvel 100% elétrico em um futuro próximo. O estudo ouviu 1.200 pessoas nas diferentes regiões do país, em questionários aplicados presencialmente. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Há também um exercício de fé nos dados: 56% dos entrevistados acreditam que, em breve, será mais fácil recarregar um carro em tomadas do que abastecer com combustível. Apesar disso, apenas 26% consideram que a infraestrutura em suas cidades já está adequada aos novos tempos.

Em relação ao preço, as opiniões se dividem: 40% acreditam que, em um futuro não muito distante, esses modelos custarão menos que os equivalentes a gasolina, enquanto outros 40% prevê que serão mais caros.

Os mais esperançosos em relação à popularização dos elétricos são os que têm renda média entre R$ 3.000 e R$ 6.000. Nesse grupo, 42% acham que essas opções serão mais baratas que os automóveis com motor a combustão.

Outro ponto que chama a atenção é a imagem transmitida por esses veículos: 81% dos entrevistados disseram acreditar que tais modelos são menos prejudiciais ao planeta.

"De modo geral, a maioria dos entrevistados percebe os benefícios da aquisição de um carro elétrico, porém, eles não acreditam que o mesmo tenha um preço acessível", diz a análise divulgada pelos especialistas da Brain.

Ao perceber que há vantagens em dirigir um carro que não emite fumaça, o consumidor coloca sorrisos nos rostos de executivos da indústria automotiva. É sinal de que os produtos desenvolvidos para atender a normas ambientais têm agradado o público, que se torna mais receptivo a outras tecnologias.

No caso brasileiro, a boa aceitação abre caminhos a soluções mais adequadas à infraestrutura disponível. Em breve o mercado nacional começa a receber mais opções de carros híbridos que podem ser abastecidos com etanol. Fiat, Volkswagen e GWM já revelaram projetos avançados nessa área, mas todas as marcas instaladas no Brasil devem seguir o mesmo caminho.

Conciliar eletricidade ao combustível de origem renovável é uma forma de reduzir emissões e garantir a adequação à próxima etapa do Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores), que será implementada em etapas entre 2025 e 2029.

A tendência é que diferentes soluções menos poluentes convivam por muito tempo no mercado brasileiro. Com a melhora da infraestrutura e a redução dos custos de aquisição e de recarga, os modelos 100% tendem a crescer e a conquistar cada vez mais espaço nas ruas.