Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,71
    -0,95 (-1,15%)
     
  • OURO

    1.799,30
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    61.117,39
    +2.199,89 (+3,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.474,47
    +0,14 (+0,01%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.236,96
    -16,31 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.647,00
    +59,75 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4190
    -0,0057 (-0,09%)
     

Estudo mostra como a pandemia da covid-19 impactou crianças e bebês

·1 minuto de leitura

A pandemia de covid-19 foi impactante para todos. No entanto, um estudo da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) apontou consequências ainda mais intensas para bebês e crianças. A análise aponta situações como pobreza, subnutrição, falta de assistência em saúde e educação.

As informações fazem parte da Epicovid-19, a maior pesquisa epidemiológica sobre a doença feita no Brasil. Segundo essa análise, até setembro deste ano, 867 crianças de até 4 anos e 194 crianças de 5 a 9 anos morreram no Brasil por covid-19. O estudo mostra ainda que também foram vítimas da doença 273 adolescentes de 10 a 14 anos e 808, de 15 a 19 anos.

Outro impacto apontado pela pesquisa é que na pandemia, 22,7% das crianças mais pobres deixaram de ser vacinadas. Entre as mais ricas, o índice é de 15%. Segundo os pesquisadores, as crianças que já estão fragilizadas pela subnutrição ficam ainda mais suscetíveis a outras doenças infecciosas que podem ser prevenidas pela imunização.

(Imagem: bondarillia/Unsplash)
(Imagem: bondarillia/Unsplash)

O Programa Criança Feliz, do governo federal, é uma das principais iniciativas voltadas para a infância, e atende famílias com crianças de até 6 anos por meio de visitas domiciliares. O estudo menciona dados de entrevista com participantes do programa Criança Feliz, que mostram que 11% das crianças deixaram de ser vacinadas em setembro de 2020. Em janeiro de 2021, o índice foi para 10%. Vale ressaltar que 6% das grávidas faltaram às consultas pré-natais em setembro de 2020, percentual que em janeiro mudou para 10%.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos