Mercado abrirá em 9 h 46 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,03
    -1,63 (-1,97%)
     
  • OURO

    1.800,30
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    58.869,92
    -1.773,07 (-2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.410,64
    -63,69 (-4,32%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.641,84
    +13,10 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.848,63
    -249,61 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    15.619,50
    +32,25 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

·2 minuto de leitura

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata para o desenvolvimento da energia hidrelétrica no Brasil —, provocadas pelas mudanças climáticas, reduzirão de maneira significativa a capacidade de produção de energia hidrelétrica da região.

Os pesquisadores envolvidos no relatório revisaram cerca de 350 projetos hidrográficos propostos para a bacia amazônica. No entanto, para a realização deles, é necessário que exista uma capacidade hidrológica. O estudo indica que, em meados deste século, a região passará por mudanças que diminuirão a capacidade de geração de energia hidrelétrica.

(Imagem: Reprodução/NASA)
(Imagem: Reprodução/NASA)

O ecologista Stephen Hamilton, do Cary Institute of Ecosystem Studies e co-autor do relatório, explica que os projetos hidrelétricos para a bacia amazônica são baseados nos níveis históricos dos rios. “A mudança climática está interrompendo esses padrões, o que significa que projetos existentes e os propostos provavelmente não serão tão eficazes sob as condições futuras”, acrescenta Hamilton.

A equipe utilizou vários cenários climáticos apresentados pelo 6º Relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) para realizar modelações em escala continental sobre a precipitação e vazão dos rios. Além disso, eles estimaram como as mudanças afetam os custos de energia, comparando com a solar e a eólica na região amazônica.

Segundo as projeções, em meados deste século, os fluxos dos rios nos locais de barragem propostos nos projetos devem diminuir entre 13% a 20%. Na parte da Amazônia localizada no Brasil, o fluxo caiu de 18% a 23%, enquanto nos países andinos, onde as chuvas devem aumentar, os fluxos podem subir entre 1,5% a 2,5%. Essas mudanças também afetarão o custo da energia brasileira — podendo aumentar entre 52% a 105%.

(Imagem: Reprodução/Almeida et al./Global Environmental Change)
(Imagem: Reprodução/Almeida et al./Global Environmental Change)

Em contrapartida, a energia solar e eólica devem se tornar cada vez mais competitivas, em termos econômicos, garantindo maior segurança e menos custos ambientais do que a produção hidrelétrica. “A energia hidrelétrica precisa ser projetada para operar em conjunto com fontes alternativas de energia”, explica Hamilton. As novas instalações hidrelétricas precisam ser pensadas conforme as projeções e não a partir do histórico de volume dos rios.

Os pesquisadores ressaltam que os planejadores da energia brasileira precisam se concentrar em medidas de resiliência climática. Neste ano, o Brasil atravessa a pior crise hídrica dos últimos 91 anos por conta da extensa seca nos principais reservatórios do país. O que, aliás, já tem afetado o custo da energia do brasileiro, uma vez que são acionadas as usinas térmicas que, além de mais caras, são mais nocivas ao meio ambiente.

O relatório foi publicado na Global Environmental Change.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos