Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.769,50
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    54.753,49
    -1.897,72 (-3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.225,98
    -72,97 (-5,62%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.890,27
    -215,88 (-0,74%)
     
  • NIKKEI

    29.171,88
    -513,49 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    13.914,00
    +16,75 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6796
    +0,0039 (+0,06%)
     

Estudo indica que Hollywood está perdendo bilhões por desigualdades raciais

Laísa Trojaike
·2 minuto de leitura

Vimos, no último ano, o movimento Black Lives Matter causar uma pressão ainda maior na indústria audiovisual, que se viu obrigada a ceder às demandas sociais, o que vem acontecendo gradualmente há algumas décadas, mas infelizmente a passos muito lentos. Para o futuro, o Oscar, premiação mais popular do cinema, colocou exigências de representatividade para que uma obra esteja habilitada a concorrer à categoria de Melhor Filme. A desigualdade, no entanto, ainda é notável.

Um novo estudo divulgado pelo Deadline sugere que a falta de investimento em projetos realizados ou protagonizado por negros está causando um enorme prejuízo para os bolsos hollywoodianos. O estudo foi fruto da consultoria empresarial fornecida pela McKinsey & Company e é a primeira pesquisa a ceder uma “visão integrada dos dados” e revelar “as muitas barreiras” que profissionais negros encontram nos inúmeros processos de produção de cinema e TV.

Imagem: Captura de tela/McKinsey & Company
Imagem: Captura de tela/McKinsey & Company

A companhia analisou mais de dois mil filmes e entrevistou profissionais do setor, incluindo roteiristas, realizadores, produtores, atores e executivos em colaboração com a BlackLight Collective. A pesquisa, no entanto, não faz apenas o trabalho de mostrar as desigualdades, mas oferece soluções que reforçam e estimulam a inclusão e a representatividade no cinema e na TV.

Entre as conclusões da pesquisa, descobriu-se que mídia e entretenimentos somados são uma indústria que rende quase US$ 150 bilhões por ano. Hollywood sozinha, no entanto, se abraçasse as questões raciais, teria um ganho potencial extra de US$ 10 bilhões adicionais em receitas anuais. Isso significa que Hollywood pode ganhar quase 7% a mais só por abordar as desigualdades raciais em suas obras.

Imagem: Captura de tela/McKinsey & Company
Imagem: Captura de tela/McKinsey & Company

A McKinsey descobriu ainda, especificamente com relação à BlackLight Collective, que seus filmes “têm sido sistematicamente subfinanciados e subvalorizados”, mesmo quando há evidências muito claras de que esses filmes teriam um retorno financeiro mais significativo que outras obras que acabaram sendo priorizadas.

Somado a isso, a pesquisa revelou ainda que, entre os cargos de controle criativo dos projetos, apenas 6% dos roteiristas, diretores e produtores de Hollywood são pessoas negras. Em frente às câmeras, a representatividade também é bastante desigual, já que o estudo concluiu que, enquanto pessoas negras conseguem em média seis papéis principais, os atores brancos, no mesmo período, conseguem em média nove papéis principais.

O estudo completo (em inglês) está disponível e pode ser lido aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: