Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.924,68
    -2.991,01 (-7,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Estudo europeu revela que três quartos das crianças já sofreram abusos durante práticas esportivas

·1 min de leitura

Três em cada quatro menores foram vítimas de abusos psicológicos ou físicos durante sua prática esportiva. Esse é o resultado de um estudo realizado com mais de 10 mil pessoas em seis países europeus, publicado neste sábado (27). Segundo a pesquisa, os meninos seriam as principais vítimas.

De acordo com o estudo, que foi financiado pela União Europeia, quase dois terços dos entrevistados declararam terem sofrido violência psicológica, enquanto 44% foram vítimas de violência física. Os abusos psicológicos vão desde a falta de consideração por parte dos treinadores até a pura humilhação.

A incidência mais alta de abusos foi observada nos menores que participaram de competições a nível internacional. O estudo destaca que os abusos ocorriam dentro do clube e das organizações esportivas.

"Evidentemente, nossas conclusões são muito preocupantes. Nos últimos anos, vimos alguns casos muito midiáticos de abusos de menores no esporte, mas esse estudo nos ajuda a entender melhor a amplitude do problema", declarou o principal autor do relatório, o sociólogo de esporte Mikel Hartill, da Universidade Edge Hill (noroeste da Inglaterra).

Os dados evidenciam a falta de capacidade de vários órgãos esportivos para aplicar políticas de proteção além dos protocolos contra a violência sexual, afirmam os autores do estudo. "Infelizmente, os resultados falam de um setor que faz muito pouco para enfrentar problemas profundamente enraizados", completaram os pesquisadores.


Leia mais

Leia também:
Macron adota novas medidas para lutar contra bullying nas escolas da França
França: avatar do game "Fortnite" ajudou crianças a denunciar maus-tratos durante quarentena

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos